Segunda-Feira, 20 de Novembro de 2017

Política


31/08/2017 - 00:00 - Atualizado em 31/08/2017 - 00:00

Caso está "encerrado", diz Rubens Furlan sobre ação no TSE

Processo pede impugnação da candidatura de prefeito, porém, Furlan exalta vitória obtida em julho no Tribunal Regional Eleitoral
Por Maximiliano Soriani
Barueri

"Não tem mais julgamento", salientou, ignorando possível julgamento futuro em instância superior, o TSE, onde cabe recurso já apresentado por Saulo Goes.

"Não tem mais julgamento", salientou, ignorando possível julgamento futuro em instância superior, o TSE, onde cabe recurso já apresentado por Saulo Goes. (Foto: Luciano Benazzi)
(maximiliano@webdiario.com.br)

Em Barueri, o prefeito Rubens Furlan (PSDB) não demonstrou apreensão a respeito da ação movida contra ele a qual pede impugnação de sua candidatura de  2016 para, consequentemente, tirá-lo da prefeitura. Na avaliação do gestor, ele dá o caso por encerrado. “Não tem mais julgamento, nós ganhamos no TRE, até porque em Brasília teve uma decisão e pediu que julgasse alguns itens que não tinham. Isso daí não tem a menor preocupação. Nós ganhamos aqui no TRE, foi pra Brasília, voltou, ganhamos de novo no TRE e a constitucionalidade dela foi julgada no Tribunal de Justiça. Eu particularmente dou o caso por encerrado”, declarou.

No último mês, a defesa de Furlan garantiu uma vitória importante no Tribunal Regional Eleitoral (TRE – SP) e o caso agora foi transferido para o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), em Brasília. Contudo, o mesmo processo já havia passado pelo TSE no ano passado, quando o ministro Antônio Herman de Vasconcellos Benjamin, na decisão monocrática de dezembro, determinou que a ação deveria ser julgada novamente pelo Tribunal Regional, como observou Furlan. Nessa instância, os desembargadores apresentaram seus pedidos de vista, adiando a decisão em três ocasiões, até seu desfecho na sessão de 11 de julho, quando, por quatro votos a dois, atestaramque a denúncia era improcedente.

A ação é movida pela coligação “Coragem para mudar”, do ex-vereador Saulo Góes (PSOL). A denúncia questiona a postura da decisão da Câmara Municipal no ano passado em anular o Decreto Legislativo 09/2013, o qual desaprovou as contas do tucano quando prefeito em 2011. Se mantida, a medida o deixaria inelegível por oito anos e talvez gerar um pleito suplementar. A movimentação do legislativo barueriense às vésperas da eleição permitiu que Furlan retomasse a elegibilidade e concorresse ao páreo de prefeito de Barueri.

Newsletter
Conteúdo exclusivo para você
Vip Style