Quarta-Feira, 19 de Dezembro de 2018

Cotidiano


26/02/2018 - 00:00 - Atualizado em 26/02/2018 - 00:00

Quase 5 milhões de jovens estão com o nome sujo

Dívidas de bancos são as maiores causas da inadimplência, seguidas pelas compras. Dados estão em queda, mas devido ao desemprego
Por Da redação
Região

(cotidiano@webdiario.com.br)

A inadimplência está em queda. Mas continua alta, entre os mais jovens. E só não é maior devido ao desemprego.  De acordo com o Indicador de Inadimplência do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL), o número de negativados mais jovens, com idade entre 18 e 24 anos, recuou 21,96% em janeiro 2018. Com isso, a participação dos mais jovens no total de devedores caiu de 13,60%, em janeiro de 2010, para 6,12% em janeiro de 2018. Em termos absolutos, o SPC Brasil estima que, em janeiro, havia 4,81 milhões de consumidores negativados com idade entre 18 a 24 anos.

A cifra representa 20,14% dos jovens dessa faixa etária. Os dados de dívidas em atraso também confirmam a queda da inadimplência na população com idade entre 18 e 24 anos. Nesse caso, a retração foi de 23,45% em janeiro, na comparação com o mesmo mês do ano anterior. A participação das pendências de jovens no total de dívidas passou de 13,37%, em janeiro de 2010, para 6,74% em janeiro de 2018. Para a economista-chefe do SPC Brasil, Marcela Kawauti, a retração dos indicadores de inadimplência da população mais jovem reflete a menor presença desses brasileiros nos níveis de ocupação do país. 

Newsletter
Conteúdo exclusivo para você
Capa do Dia
Vip Style