Sexta-Feira, 16 de Novembro de 2018

Polícia

08/11/2018 - 00:00 - Atualizado em 08/11/2018 - 00:00

Revisão de pena por chacina de Osasco fica para ano que vem

Por Da redação / cotidiano@webdiario.com.br
Região

O TJ-SP (Tribunal de Justiça de São Paulo) adiou o julgamento do recurso da condenação em primeira instância de três dos quatro acusados da chacina de Osasco e Barueri, que deixou 17 mortos em agosto de 2015. O julgamento dos policiais militares Fabrício Eleutério e Thiago Henklain e do guarda municipal Sérgio Manhanhã estava previsto para ocorrer na última quarta. Mas o TJ decidiu adiar e juntá-lo ao pedido de revisão de pena de outro PM indiciado no caso, Victor Cristilder, que teve júri realizado em separado. Com isso, a decisão só deve sair no início de 2019. O adiamento foi divulgado pelo jornal Folha de São Paulo.

Em setembro do ano passado, Eleutério, Henklain e Manhanhã foram condenados a penas que, juntas, ultrapassam 600 anos de prisão. Já em março, Cristilder foi condenado a 119 anos, 4 meses e 4 dias de prisão Os advogados de defesa do trio concordaram com o adiamento e junção de todos os casos.  O MP-SP (Ministério Público do Estado de São Paulo) quer a anulação do júri que condenou Cristilder e também o Manhanhã por considerar nula a principal prova contra ele - uma troca de mensagens entre os dois. Segundo a denúncia original da Promotoria, os réus agiram em vingança contra as mortes de um policial militar e de um guarda civil durante assaltos, dias antes, em Osasco e Barueri. 

Caso os magistrados decidam pela anulação, o processo do PM volta à primeira instância para definição de data de novo julgamento.


Newsletter
Conteúdo exclusivo para você
Capa do Dia
Vip Style