Terça-Feira, 07 de Julho de 2020

Cotidiano


20/03/2020 - 00:00 - Atualizado em 20/03/2020 - 00:00

Coronavírus já tem casos confirmados em 12 bairros

Por Erica Celestini/cotidiano@webdiario.com.br
Osasco

Número de casos passou de 4 para 17 em um dia. Prefeito Rogério Lins decretou fechamento do comércio não essencial e pede que população não saia de casa de forma "desnecessária"

Número de casos passou de 4 para 17 em um dia. Prefeito Rogério Lins decretou fechamento do comércio não essencial e pede que população não saia de casa de forma "desnecessária" (Foto: Divulgação)
Em pouco mais de 24 horas, o cenário epidemiológico de coronavírus em Osasco passou de 4 casos “potencialmente confirmados” – com resultado positivo na rede particular mas aguardando contraprova do Instituto Adolfo Lutz – para 5 casos confirmados e 12 aguardando contraprova, o que deve elevar o número para 17 nas próximas horas. Já os casos suspeitos passaram de 91 para 158 no mesmo período. Os números foram divulgados pelo prefeito Rogerio Lins em transmissão ao vivo, na noite desta quinta-feira, nas redes sociais.

Lins também detalhou que os casos confirmados e potencialmente confirmados estão espalhados por 12 bairros. Há 3 no Jardim Veloso, 3 no Santo Antônio e 2 no Rochdale. Já os bairros do Helena Maria, City Bussocaba, Bandeiras, Km 18, São Pedro, Vila Yara, Jardim Wilson, Bussocaba e Umuarama têm um caso cada. Segundo ele, todos os pacientes estão bem e em isolamento domiciliar.

Eles contraíram o vírus fora da cidade, a maioria no trabalho. Lins citou a velocidade de transmissão da doença para pedir que a população não saia as ruas de forma desnecessária. Já nesta sexta-feira, anunciou decreto para fechamento do comércio que não seja essencial. Podem permanecer abertos supermercados, açougues, padarias, farmácias e postos de gasolina, dentre outros.

“Peço para as pessoas não irem passear no shopping e nem no Calçadão e não frequentarem academias. O momento é de cautela, de conscientização. Os idosos devem ficar em isolamento total. E os demais só saírem para atividades essenciais, como comprar alimentos, ir ao médico ou acompanhar uma pessoa  que esteja passando mal”, completou.