Câmara de Osasco e iFood debatem geração de empregos para moradores da cidade

 Câmara de Osasco e iFood debatem geração de empregos para moradores da cidade

Divulgação

Na terça-feira, 5, o presidente da Câmara Municipal de Osasco, Ribamar Silva (PSD), e a vereadora Elsa Oliveira (Podemos), que é presidente da Frente Parlamentar de Emprego e Renda da Casa, se reuniram com representantes do iFood, Chico Avelino e Tatiane Alves, para debaterem a geração de vagas de emprego para os moradores da cidade, além de ações de sustentabilidade.

“O iFood veio reforçar o time de empresas que têm colocado Osasco no ranking das melhores cidades para investir do Brasil e levando dignidade a milhares de famílias de todo o país”, comentou Ribamar.

Já a vereadora Elsa falou sobre propostas que possam ampliar a geração de empregos. “Além da fomentação de vagas de trabalho, falamos também de sustentabilidade e segurança alimentar. O iFood cultiva uma horta urbana na cobertura do prédio que ajuda a alimentar centenas de famílias osasquenses”, declarou.

Também na terça-feira, Ribamar apresentou requerimento, durante sessão ordinária, para pedir informações sobre a visita de vereadores de São Paulo à Uber, sediada em Osasco. O documento foi enviado à Câmara Municipal de São Paulo.

Por conta de uma CPI dos aplicativos na Câmara de Vereadores paulistana, criada para apurar a atuação de empresas de transporte por aplicativo na capital, os parlamentares da Capital questionaram a troca do Uber de São Paulo por Osasco como sede da empresa.

No requerimento 07/2022, Ribamar pediu informações “sobre os indícios que comprovem as diligências em empresas sediadas em Osasco, bem como os eventuais ilícitos cometidos por tais empresas”, diz o documento.

Semana passada, houve reclamação da Uber de que os vereadores de São Paulo foram fazer fiscalização na sede da empresa em Osasco. Ribamar declarou, ainda, que o Legislativo Municipal tomará as providências legais contra a ação dos vereadores de São Paulo em Osasco. “É desrespeito com nossa cidade; nós não vamos fiscalizar empresas em outras cidades”.

Com a mudança do Uber para Osasco, a Capital paulista deixará de arrecadar cerca de R$ 80 milhões por ano em Imposto Sobre Serviços (ISS). Segundo dados fornecidos pela Uber à CPI da Câmara Municipal de São Paulo, a empresa pagou R$ 584 milhões entre 2014 e 2020 para aquela cidade.

“Essa prerrogativa é dos deputados estaduais e deputados federais. São eles que têm que fiscalizar eventuais problemas entre municípios. Aos vereadores cabe fiscalizar problemas internos de suas cidades. Não queremos inimizade com nenhuma cidade”, finalizou o presidente.

Além da Uber, também se mudaram para Osasco as empresas de tecnologia 99, Ifood (vinda de Jundiaí), entre outras. Em Osasco, a alíquota de ISS é de 2%, contra 5% que era pago pela empresa em São Paulo.

Da Redação