Délbio diz que é “mimimi” chamar morte de 27 no Rio de chacina

 Délbio diz que é “mimimi” chamar morte de 27 no Rio de chacina

(Foto Caio Henrique)

A operação da polícia no Morro do Jacarezinho, no Rio de Janeiro, que aconteceu no dia 6 de maio e deixou 28 mortos, entre eles um policia civil, foi parar na tribuna da Câmara de Osasco. Durante sessão desta terça-feira (18) o vereador Délbio Teruel (DEM) apresentou Moção de Pesar pela morte do policial civil André Farias, baleado na cabeça por um disparo de fuzil durante a ação na favela carioca.

O parlamentar afirmou que ação no Morro não deve ser chamada de chacina. “Fico ouvindo muita gente falando que foi chacina. Isso não é chacina. É enfrentamento à polícia e tem que reagir. Não está se lidando com gente boa ou com jovenzinho que não tem experiência com o crime. A gente sabe que tipo de gente está se lidando nesse Morro do Jacarezinho. Gente com fuzil que atira na polícia e quem atira na polícia tem que ter o que? Uma resposta à altura”.

Délbio ainda ressaltou que a polícia não deve ser culpada pelos mortos durante a operação e criticou a imprensa por chamar a ação de chacina. “As pessoas falam que a polícia é sempre culpada, mas a polícia tem que agir com energia. Não dá para chegar no morro e ser recebido com bala na cabeça? Quer o quê? Que a polícia entre no morro com um buquê de flores? A gente tem que ter mais consciência, parar de mimimi e parar de falar que é chacina. Queria ver um repórter ou editor que fala que é chacina entrar lá com a polícia com granada e fuzil”, completou.

Graciela Zabotto