‘Ela quer dinheiro meu’, diz Antonia Fontenelle sobre pedido de indenização de Klara Castanho

 ‘Ela quer dinheiro meu’, diz Antonia Fontenelle sobre pedido de indenização de Klara Castanho

Reprodução/Instagram

Antonia Fontenelle gravou um vídeo, na noite desta segunda-feira (18), comentando a negativa da Justiça do Rio de Janeiro a liminar requerida por Klara Castanho. A atriz pedia a retirada do vídeo em que a apresentadora falava sobre o caso de estupro, gravidez e entrega de bebê a adoção da artista.

Além disso, Klara pede indenização de R$ 100 mil de Fontenelle, por conta das declarações feitas pela youtuber. Agora, a ação segue com o pedido de indenização.

“Semana passada, eu fui informada de que um certo inimigo meu ofereceu o seu corpo jurídico para arrebentar comigo, somente comigo. Mas, quando eu digo que existem pessoas que fazem bom uso da Justiça nesse país… ‘a juíza Flávia Viveiro de Castro tirou o Segredo de Justiça do Processo e entendeu que a determinação para retirada das declarações de Fontenelle seria uma espécie de censura. A ação prossegue com o pedido de indenização’, ou seja, ela quer dinheiro meu”, disse Antonia, enquanto lia as informações do jornalista Ancelmo Gois sobre o processo.

Antonia celebrou a decisão da juíza Flávia Viveiro de Castro embora o vídeo em questão esteja fora do ar desde que Klara publicou uma carta aberta narrando todos os fatos.

Na nova gravação publicada no dia 18 de julho, a apresentadora lembrou ainda que não foi a única a comentar o caso de Klara publicamente. Segundo ela, outros youtubers e jornalistas mencionaram o nome da atriz, algo que ela não fez, e criticaram a conduta dela, mas apenas ela estaria sofrendo as consequências. “Quem está atrás do corpo jurídico dela, quer dinheiro meu. Os demais, que citaram o nome dela e arr******** com ela, fo****. Eu não citei o nome dela, em seguida a minha live, ela se apresentou.”

“Klara, cuidado com as pessoas que te oferecem ajuda. Quando eu vim aqui no meu canal, eu te ofereci ajuda, mas ela não foi para processar ninguém. A ajuda que te ofereci foi para chegar até o estuprador. A Justiça de São Paulo está tendo dificuldade de acessar esse caso porque segundo eu li está em Segredo de Justiça para centena de anos. Você não está colaborando. Não existe a menor possibilidade de alguém querer proteger um estuprador, um agressor, tem que ser preso. Só que você não está colaborando. Você aceita ajuda de quem te pede para te processar. Eu me coloco à disposição da Justiça para explicar detalhe por detalhes dos motivos que me levaram a ser ríspida com esse caso mesmo sem citar o nome dessa moça. Não estou aqui para dificultar o trabalho de ninguém”, disse.

“Você não pode através de uma carta aberta apontar um problema e não se colocar à disposição para a resolução do problema. Minha querida Klara Castanho, isso não é sobre você, isso é sobre várias mulheres que sofrem violência nesse país e não têm a voz que você tem”, completou. (com entretenimento.r7.com)

Da Redação