Elvis Cezar pretende abrir 200 leitos e passar Hospital de Parnaíba para o estado

Em entrevista ao Diário da Região, o pré-candidato a governador de São Paulo pelo PDT, Elvis Cezar, pretende ampliar leitos no Hospital Regional de Osasco caso seja eleito. Ele disse que essa ampliação é totalmente possível e pode, inclusive, dobrar a capacidade de atendimento na unidade.

Outra proposta será passar a administração do Hospital Municipal de Santana de Parnaíba, ainda em construção, para o governo do estado e abrir mais 200 leitos na região. A obra, iniciada por Elvis quando foi prefeito da cidade e já paga, deve ser concluída em março do ano que vem.

Somados aos 400 leitos a serem abertos com o Hospital Regional Rota dos Bandeirantes, também com entrega total à população em março de 2023, somente a região Oeste da Grande São Paulo passaria a ter mais 600 leitos para internação em apenas duas unidades de Saúde. Isso sem contar a possibilidade de ampliação do Hospital Regional de Osasco.

“Eu deixei o hospital municipal de Parnaíba pago. Cidade vai entregar esse hospital em breve. Como governador, eu estadualizo e amplio a rede para todos os municípios do entorno. Já o Hospital Regional de Osasco tem a possibilidade de ampliação de leitos para atender mais e melhor”. Elvis Cezar ressaltou ainda que outro grande ganho para a região será o Hospital Regional em obras no Parque Viana que terá atendimento de alta complexidade.

Para zerar a fila de espera por consulta, agravada durante a pandemia, Elvis Cezar não descarta a contratação de clínicas particulares. A medida seria apenas emergencial para atender a demanda represada. A meta do pré-candidato é desenvolver uma excelência em gestão pública da Saúde com um sistema que acompanhe o paciente da consulta à alta hospitalar ou médica para casos que não exijam internação.

Elvis Cezar recusa o termo “enxugar gelo” para definir a Saúde pública. Premiadíssimo em gestão pública, quando foi prefeito de Santana de Parnaíba por 7 anos, Elvis Cezar declara com todas as letras que é possível revolucionar o setor.

Da Redação