Emidio quer que agressor de procuradora responda criminalmente

Emidio quer que agressor de procuradora responda criminalmente
Emidio quer que agressor de procuradora responda criminalmente
Emidio quer que agressor de procuradora responda criminalmente
Emidio quer que agressor de procuradora responda criminalmente
Emidio quer que agressor de procuradora responda criminalmente
Emidio quer que agressor de procuradora responda criminalmente
Emidio quer que agressor de procuradora responda criminalmente
Emidio quer que agressor de procuradora responda criminalmente

O deputado estadual e presidente da Comissão de Direitos Humanos da Alesp, Emidio de Souza, defendeu que o agressor da procuradora Gabriela Samadello Monteiro de Barros responder pelos crimes que cometeu, não apenas ser suspenso, como fez a prefeitura do município de Registro, onde aconteceu a agressão.

 

“Perturbadoras as imagens da agressão sofrida pela procuradora Gabriela Samadello Monteiro de Barros, em Registro. Esse triste episódio mostra o quanto precisamos lutar para acabar com a violência contra as mulheres. Toda solidariedade à Gabriela. A Comissão de Direitos Humanos da Alesp, que presido, vai cobrar e acompanhar”, completou.

 

Entenda o caso

Na tarde da última segunda-feira (20), a procuradora-geral de Registro foi agredida por um colega dentro da própria prefeitura, onde trabalham, e ficou com o rosto ensanguentado. A ação foi filmada por outra funcionária e mostra que o também procurador Demétrius Oliveira Macedo, de 34 anos, desferiu socos e chutou a colega.

 

Segundo informações a agressão teria sido motivada pela abertura de um processo administrativo contra o procurador por conta de sua postura no ambiente de trabalho. Um Boletim de Ocorrência sobre o caso foi registrado no 1º Distrito Policial (DP) do município.

 

Gabriela Samadello Monteiro de Barros, de 39 anos, estava trabalhando quando foi surpreendida pelo ataque de Macedo. Segundo consta no BO, ele a agrediu primeiro com uma cotovelada na cabeça e continuou com socos no rosto.

 

Na quarta-feira (22), Demétrius Macedo foi afastado do cargo e teve o salário suspenso, conforme consta no Diário Oficial do Município. O processo administrativo aberto contra ele deve resultar na exoneração do servidor público.

Da Redação