• 17/01/2021

Filho mata padrasto para impedir mãe de ser esfaqueada

 Filho mata padrasto para impedir mãe de ser esfaqueada

foto Maranhão

Um caso de violência doméstica terminou em morte em Carapicuíba neste domingo, 10. Um homem, 36, foi esfaqueado pelo enteado, de apenas 15 anos. O motivo foi a agressão que sua mãe, 42, sofreu do companheiro. Para separar a briga, onde a mulher foi atingida por socos, facadas e uma ‘gravata’, o adolescente esfaqueou o padrasto nas pernas, braço e tórax.

A ocorrência aconteceu por volta das 7 horas. Guardas municipais foram acionados para atender um possível feminicídio. Quando a equipe chegou na residência, na avenida Antônio Roberto, Vila Creti, encontrou a mulher ensanguentada no chão da cozinha com diversos ferimentos nas pernas, no braço esquerdo e supercílio direito. Já o homem estava em um quarto também ferido e ensanguentado.

Para a polícia o filho da vítima disse que sua mãe e seu padrasto saíram para beber em um bar, no sábado à noite. No domingo de manhã ele acordou com gritos da mãe pedindo ajuda porque tinha machucado o pulso. Nessa hora o padrasto entrou na casa xingando a companheira e foi em direção a ela, que se defendeu com mordidas. Foi quando começou uma luta corporal entre os dois. Ele a agrediu com socos, quatro facadas na perna, além de aplicar um golpe de ‘gravata’.

Foi nessa hora que o menor, para salvar a mãe, pegou uma faca e golpeou duas vezes o padrasto. Mesmo assim a luta continuou e só parou depois que um vizinho ouviu gritos, arrombou a porta da casa e separou o casal. Logo em seguida ligou para o Samu e Corpo de Bombeiros.

A mulher foi encaminhada para o PS da Vila Dirce. Já o homem foi levado para o Hospital Geral de Carapicuíba, onde sofreu parada cardiorespiratória e não resistiu aos ferimentos. O número de facadas não foi informado, mas haviam vários ferimentos na região do tórax, costas e pernas.

“O padrasto estava batendo na mãe do adolescente de 15 anos e ele o esfaqueou. O jovem foi preso em flagrante por homicídio e passará por audiência na Vara da Infância e Juventude. O crime é grave. É um homicídio, mas as circunstâncias podem reconhecer que foi uma legítima defesa e ele pode ser beneficiado por isso”, comentou doutor Marcelo José do Prado, delegado titular do 1º DP de Carapicuíba. (colaborou Maranhão)