Frota diz que quem faz parte do orçamento secreto “não tem moral”

 Frota diz que quem faz parte do orçamento secreto “não tem moral”

Divulgação

O deputado federal Alexandre Frota (PSDB), que é morador de Cotia, usou suas redes socais para afirmar que não está na lista de 19 parlamentares do PSDB que receberam o chamado orçamento secreto.

 

“Quem estiver nessa lista não tem moral, nem vergonha na cara para falar, criticar ou cobrar algo. Eu não faço parte e me orgulho de não estar na lista da propina secreta”, publicou.

 

Conforme levantamento realizado pela Folha de S.Paulo com base nos dados encaminhados pelos parlamentares ao STF (Supremo Tribunal Federal), deputados e senadores tucanos indicaram pelo menos R$ 483 milhões do orçamento secreto.

 

Os valores costumam ser usados para obras e projetos nas bases eleitorais dos parlamentares.

 

De 22 deputados, 19 declararam ter recebido emendas de relator, com destaque para Ruy Carneiro (PSDB-PB), com 76 milhões de reais; Carlos Sampaio (PSDB-SP), com 39,5 milhões; e Bia Cavassa (PSDB-MS), suplente que exerceu mandato, com 37,2 milhões.

 

No Senado, aparecem dois nomes: Mara Gabrilli (PSDB-SP), com 20 milhões de reais, e Plínio Valério (PSDB-AM), com 81,6 milhões.

 

Entenda o orçamento secreto

O “orçamento secreto” remete a um tipo de emenda parlamentar — a de relator, com o código técnico RP-9. Ela ganhou esse apelido devido à maior falta de transparência na aplicação de seus recursos, segundo parlamentares de oposição ao governo do presidente Jair Bolsonaro (PL).

 

Na definição do Senado, essas emendas são “propostas por meio das quais os parlamentares podem opinar ou influir na alocação de recursos públicos em função de compromissos políticos que assumiram durante seu mandato, tanto junto aos estados e municípios quanto a instituições”.

 

Graciela Zabotto