Furlan chama Bolsonaro de medíocre por “ainda” não ter vacina contra Covid

 Furlan chama Bolsonaro de medíocre por “ainda” não ter vacina contra Covid

(Divulgação)

Prefeito de Barueri, Rubens Furlan (PSDB), desabafou nesta segunda-feira, 11, sobre a lentidão do governo federal para iniciar a vacinação contra a Covid-19 no Brasil. Prefeito chamou o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) de medíocre por “ainda” não ter vacina contra a doença no Brasil. A crítica ao presidente aconteceu após anunciar que governador João Doria vai enviar 80 mil doses da Coronavac a Barueri em uma primeira etapa, quando serão vacinados, com duas doses, 40 mil moradores.

“Essas doses virão de 1 mil a 1.200 mil doses por dia, aproximadamente. Essas 80 mil doses são do governo do Estado. A grande pergunta é: quando é que o governo Federal vai mandar a vacina para Barueri e para o restante dos municípios? O governo federal tem que se manifestar. Não pode ficar alheio a isso. Aquele ministro que não entende nada de Saúde e um presidente medíocre que não apresenta nada, nem para salvar a vida das pessoas, nem para a economia. Nunca vi na história do meu País um presidente tão medíocre quanto esse”, desabafou.

Ele ainda mandou um recado: “É hora de começar a cobrar. Eu estou cobrando o ministro da Saúde e o presidente da República. Ao invés de ficar fazendo populismo e falando bobagem tenha preocupação com a vida das pessoas. Mande vacina para nosso povo. A Covid não é brincadeira. Já perdi muitos amigos e secretário, o senhor não perdeu nada ainda, e espero que não perca porque é muito triste. Mais de 50 países já iniciaram a vacinação e o senhor nem se manifestou ainda. Depois não venha dizer que sua derrota foi roubada”.

Essa não é a primeira vez que o prefeito de Barueri reclama da demora para se iniciar uma campanha de imunização contra o coronavírus no Brasil. No início deste mês, Furlan disse que gostaria de comprar cerca de 200 mil doses [da vacina] com dinheiro da prefeitura. “Mas parece que eles não vendem. Primeiro tem que ser para a União, depois para os estados e então para os municípios”.

Marcada para iniciar em duas semanas no estado de São Paulo a campanha pode ter sua data adiantada. “Em São Paulo, começaremos a vacinar no dia 25 de janeiro e, se for possível e tivermos o respaldo necessário, iniciaremos antes”, disse o governador João Doria (PSDB) nesta segunda-feira, 11, durante coletiva de imprensa no Palácio dos Bandeirantes.

Graciela Zabotto