Jovem diz que foi estuprada em carceragem da delegacia de Barueri

 Jovem diz que foi estuprada em carceragem da delegacia de Barueri

Divulgação

Uma jovem denunciou ter sido estuprada na carceragem da Delegacia de Polícia de Barueri, na noite de sábado, 12, enquanto estava presa preventivamente. O suspeito da agressão, que é carcereiro, foi afastado e é investigado pelo crime.

A vítima, de 18 anos, foi presa em flagrante na sexta-feira, 11, acusada de tráfico de drogas. A jovem teve a prisão convertida em preventiva, e estava na carceragem aguardando transferência para o Centro de Detenção Provisória de Franco da Rocha.

Na noite de sábado, segundo seu advogado, Amadeu de França, ela foi abordada pelo carcereiro, de 55 anos, em uma sala que fica dentro da carceragem. No cômodo, ainda de acordo com o advogado, o policial civil a estuprou.

Amadeu de França explicou que a carceragem do distrito policial recebe mulheres presas temporariamente e também possui outras duas celas, em andar superior, para menores infratores.

Segundo o boletim de ocorrência, o carcereiro afirmou ter sido avisado de que adolescentes apreendidos estavam fazendo barulho na ala superior. Ele contou que foi até o outro andar, passando pela cela da mulher, e, após verificar o barulho, retornou para sua sala.

O carcereiro notou que a porta chapeada, que dá acesso à entrada da sala dos agentes, estava fechada, sendo que havia ficado aberta.

Ainda segundo o boletim de ocorrência, o policial disse que foi até a cela da mulher, mas que não a viu, encontrando apenas os chinelos dela próximos às grades dos fundos.

Imaginando que a detenta pudesse ter fugido, o agente conseguiu abrir a porta, que ela provavelmente teria fechado, com a ajuda de um extintor. Em seguida, foi até o plantão policial e informou aos colegas o ocorrido.

Ele acrescentou que, após uma vistoria mais detalhada, localizou a detenta nos fundos da carceragem, perto do muro de contenção.

Segundo o agente, a princípio, ela teria apenas levantado os braços, mas, assim que chegou o apoio de outros policiais, ela passou a chorar e a dizer que não queria mais ficar presa.

Já no plantão policial, ao ser entrevistada, a vítima contou que havia sido abusada sexualmente pelo carcereiro.

A autoridade policial requisitou que uma perícia fosse feita no local, além de exames para constatação de conjunção carnal e toxicológico para a jovem, no Hospital Pérola Byington.

Também foram pedidos exames para constatação de lesão corporal, exame toxicológico e coleta de material biológico do policial, para possível tese de confronto, segundo o boletim de ocorrência.

O perito utilizou swab para a coleta de vestígios de material biológico no móvel onde, segundo informações, houve o estupro.

Em nota, a Polícia Civil afirmou que a 11º Corregedoria Auxiliar de Carapicuíba foi comunicada sobre a denúncia e instaurou um inquérito policial e apuração preliminar. “A vítima foi ouvida no último domingo, 13, e encaminhada ao Hospital Pérola Byington, onde realizou exames periciais. O local dos fatos também foi periciado e outros detalhes serão preservados para garantir autonomia ao trabalho policial”, completou a instituição. (fonte: r7.com.br)

Da Redação