• 14/06/2021

Lúcia diz que marido tem que pagar esposa por tarefas de casa

 Lúcia diz que marido tem que pagar esposa por tarefas de casa

(Divulgação)

Se depender da vereadora Lúcia da Saúde os homens deverão remunerar suas esposas por todas as tarefas domésticas que elas fazem. “Têm muitos homens que tratam a esposa como empregada. Almoço na mesa, jantar na mesa, roupa lavada. Um dia até brinquei e disse que achava que o homem tinha que fazer um pagamento para sua esposa porque a mulher que trabalha em casa trabalha muito mais do que a mulher que trabalha fora”, comentou durante sessão da Câmara de Osasco de terça-feira (8).

A declaração aconteceu depois que o vereador Emerson Osasco apresentou moção de reconhecimento à Cida, sua esposa. “Parabéns por ser um verdadeiro homem e honrar a sua esposa. Pela primeira vez eu vejo um homem com atitude vir até essa tribuna ter um reconhecimento com a sua esposa e isso é muito bonita”, disse Lúcia ao vereador.

Emerson conhece Cida há 19 anos. No domingo (5), completaram 12 anos de casados. Em suas redes sociais, o vereador divulgou que sua esposa estava grávida, mas a gestação foi interrompida. “Tínhamos o sonho de ter nosso primeiro filho, que, infelizmente, há algumas semanas, tivemos a triste e lamentável notícia da gestação que foi interrompida”. 

Na tribuna, quando foi justificar sua moção, o vereador não segurou as lágrimas. “São anos de muitas alegrias, muitas dores e muitas dificuldades, mas foram nas dores que ficamos mais fortes e mais unidos. Que a gente apoiou um ao outro, mas nenhuma das dores foi tão forte como a que passamos nos últimos meses. Era um laço triplo. Estávamos sonhando acordados. Vivendo uma nova realidade, mas, infelizmente, não pudemos viver em sua totalidade”, declarou aos prantos.

“E quando o mundo desabou ela estava do meu lado em apoiando. Um secando as lágrimas do outro. E aquele laço triplo deixou de existir fisicamente, mas continua em nossos corações. Até o fim das nossas vidas eu serei sempre o seu marido, seu companheiro, seu ombro amigo a todo momento porque, se hoje, com todas essas dificuldades eu ainda continuo em pé é porque tenho essa mulher guerreira”, finalizou. Sem condições emocionais Emerson pediu ao presidente da sessão, Josias da Juco, sua saída do plenário.