Mãe de menina morta implorou para filhas serem salvas de massacre em SP

 Mãe de menina morta implorou para filhas serem salvas de massacre em SP

Divulgação

Vítima do massacre em Itanhaém (SP) implorou por socorro para que salvassem a vida de suas filhas Quatro familiares foram baleados durante o assalto, além de um pedreiro que trabalhava no imóvel

O trabalhador e a adolescente Isabelle Amaral Costa, de 17 anos, morreram Uma das vítimas do massacre em Itanhaém (litoral de São Paulo), na última sexta-feira (24), implorou por socorro para que salvassem a vida de suas filhas, segundo relato de uma vizinha. Quatro pessoas da mesma família foram baleadas durante o assalto, além de um pedreiro que trabalhava no imóvel. Ele e a adolescente Isabelle Amaral Costa, de 17 anos, morreram.

“Após a mãe [vítima] das adolescentes gritar por socorro, fomos até lá, ela me pegou pela mão e nós entramos na casa. Vimos o pedreiro de bruços amarrado, a adolescente que faleceu no chão, muito sangue, e a menina de 12 anos. A mãe pedia muito para a gente ajudar a socorrer as meninas e chegamos a pegar a adolescente de 17 anos no colo, para levar para fora e conseguir socorrê-la”, disse a vizinha em entrevista ao portal G1.bm

Conforme relatou a vizinha, que preferiu não se identificar ao portal G1, foi com a chegada da Polícia Militar que os vizinhos foram colocando as vítimas nas viaturas para serem socorridas ao hospital.

“Os policiais foram as levando as pressas. E quando eles estavam indo embora vimos que a mãe também estava baleada, aí minha filha falou para levar ela também. Os policiais foram correndo”, relembrou.

“Foi uma cena de massacre, quatro pessoas com tiro na cabeça. Um terror. A mãe falou que pediu que eles levassem tudo, para não mexer com eles [vítimas], mas eles não ouviram. A mãe estava baleada, em estado grave, mas com a adrenalina do amor pela filhas teve força para pedir ajuda, chacoalhar minha filha e dizer ‘salva minhas filhas, elas vão morrer'”, disse a vizinha ao portal G1. (noticias.yahoo.com)

Da Redação