Mais um asilo irregular é fechado pela prefeitura em Cotia

 Mais um asilo irregular é fechado pela prefeitura em Cotia

Divulgação

A prefeitura de Cotia interditou, na terça-feira, 11, mais uma Instituição de Longa Permanência de Idosos (ILPI) no distrito de Caucaia do Alto.

Segundo a prefeitura, o local, identificado como Recanto Roque Inácio, não tinha licença sanitária e não respeitava os protocolos previstos na legislação para este tipo de estabelecimento.

O asilo mantinha o atendimento de nove idosos e dois adultos. A prefeitura disse que não foram identificados sinais de maus tratos ou problemas de higiene, no entanto, o local apresentava deficiência nutricional.

A prefeitura explicou que o proprietário tem um prazo de 48 horas para realocar todas as pessoas atendidas no local e entregar uma relação para onde foram direcionados.

A Vigilância Sanitária lavrou um auto de infração e um termo de imposição de penalidade e de interdição.

O Recanto Roque Inácio foi lacrado pela Vigilância Sanitária e o proprietário será multado. Na sexta-feira, 14, ele é esperado na Vigilância Sanitária para conclusão do processo.

A ação contou com apoio da Vigilância Sanitária, Desenvolvimento Social, Conselho dos Direitos do Idoso e Guarda Civil Municipal.

Na semana passada, um asilo clandestino foi fechado após a morte de uma senhora de 76 anos. O local foi descoberto após a idosa chegar ao Pronto-Atendimento em estado cadavérico. Ela chegou a ser atendida, mas não resistiu.

Ela estava com os pés necrosados e o órgão genital com secreção, além de subnutrida e “em pele e osso”. Tudo indicava que já estava morta há mais de 24 horas.

Viviam no local 26 idosos. A maioria com mais de 70 anos, com dificuldade de locomoção e fala. Os idosos tomavam medicamentos vencidos, não tinham suas fraldas geriátricas trocadas, ficavam em quartos insalubres e ainda foi constatada a presença de ratos por todo o imóvel.

Grande parte dos idosos foram levados para casas de acolhimento no município, mas seis deles precisaram ser encaminhados pela equipe de Saúde para receberem cuidados médicos nas unidades de Pronto-Atendimento. (fonte: Cotia e Cia)

Da Redação