“Nem nos meus piores pesadelos eu imaginaria não vestir a camisa do Osasco”, diz Tandara

 “Nem nos meus piores pesadelos eu imaginaria não vestir a camisa do Osasco”, diz Tandara

Caio Henrique

A oposta Tandara, suspensa por suspeita de doping desde a Olimpíada de Tóquio, usou suas redes sociais no último sábado, 9, para lamentar não ter defendido uma única vez a camisa do Osasco São Cristóvão Saúde na temporada 2021/2022. Por conta da suspensão, ela sequer pôde treinar com o elenco.

Mesmo afastada das quadras, ela marcou presença em vários jogos do time no Ginásio José Liberatti. Ela garante ter sofrido muito com a eliminação para o SESC RJ Flamengo nas quartas de final da Superliga Feminina. Além de falar sobre isso, ela declarou seu amor pela equipe e pela cidade.

“Demorei para assimilar e principalmente entender que rumo Deus está me levando nestes últimos 10 meses. Vendo as postagens das minhas companheiras referente ao fim da Superliga senti um embrulho no estômago, uma crise de choro, literalmente uma crise de desespero e desânimo, mas segurei, tive que me manter firme para não ter uma crise. Nem nos meus piores pesadelos eu poderia imaginar que passaria uma temporada sem vestir sequer uma vez a camisa do Osasco/São Cristóvão, essa camisa que faz parte da maior parte da minha história. Quem me acompanhou pelas arquibancadas me viu completamente inquieta, desesperada e por muitas vezes chorando, foi a melhor maneira que encontrei de me sentir integrada ao grupo e me sentir presente mesmo que de longe com o meu coração dilacerado.”, afirmou Tandara.

“Não é novidade o porquê eu escolhi ficar aqui. Osasco MINHA cidade, a que eu me identifico, me sinto bem e acolhida, e tenho como a base da minha família desde 2007. Rodei praticamente em todos os times do Brasil e sempre voltei. Agradeço imensamente a torcida Loucos de Osasco e os apaixonados por Osasco pelo reconhecimento e por fazerem a diferença na arquibancada sendo o 7º jogador. É de arrepiar, podem acreditar. Agradeço a cada cidadão osasquense pelo carinho que recebo nas ruas. Obrigada por me fazer sentir em casa Rogerio Lins. Hoje meu coração e só gratidão. Eu acredito em propósito e creio que Deus tem o melhor pra mim, me mantendo firme, cambaleando em alguns momentos fisicamente, porém, com a mente e o coração sempre em Deus.”, finalizou.

O processo da atleta corre em segredo de justiça. Enquanto não sai uma sentença decisiva sobre o caso de doping, o futuro dela no vôlei é uma incógnita. (com www.webvolei.com.br)

Da Redação