28 de maio de 2024 13:33

Café Sampa celebra Dia do Hambúrguer com 50% de desconto nos combos
PRTB oficializa Pablo Marçal pré-candidato a prefeito de São Paulo
Defesa Civil de Jandira e GCM chegam ao Rio Grande do Sul
Moradora denuncia vazamento de água em Carapicuíba
Trio rouba adega durante madrugada em Carapicuíba; veja vídeo
Vendedores ambulantes ganham espaços fixos na Fazendinha

28 de maio de 2024 13:33

Café Sampa celebra Dia do Hambúrguer com 50% de desconto nos combos
PRTB oficializa Pablo Marçal pré-candidato a prefeito de São Paulo
Defesa Civil de Jandira e GCM chegam ao Rio Grande do Sul
Moradora denuncia vazamento de água em Carapicuíba
Trio rouba adega durante madrugada em Carapicuíba; veja vídeo
Vendedores ambulantes ganham espaços fixos na Fazendinha
Candidato quer que alunos recebam professor em pé e cantem hino nacional todo dia

(Foto Eliane Tafu)

Mari Magdesian    -
14 de outubro de 2020

Um dos candidatos a prefeito em Barueri, o capitão Ataliba, quer recuperar o respeito aos valores cívicos e aos profissionais da educação nas escolas municipais da cidade. Em seu plano de governo consta a proposta de escola militarizada que consiste em um trabalho voluntário de militares do Exército com diretores, inspetores, coordenadores, professores e demais servidores públicos da Educação. O objetivo seria trabalhar nas crianças valores patriótico e um “civismo” mais acentuado, ou seja, fazer com que elas tenham mais respeito aos professores. Traduzindo: vai acabar esse papo de bater em professores, de xingar professor, ou de atitudes do gênero.

Uma das mudanças iniciais seria a volta do hino nacional cantando pelos alunos antes do início do turno escolar e receber o professor em sala de aula em pé. Isso mesmo. Os alunos ficariam em pé ao lado das carteiras assim que o professor entrasse em sala.

“O professor é muito exigido em sua formação. São anos de estudos para que ele possa lecionar e transmitir seu conhecimento e não existe mais o respeito devido à essa qualificação. Na escola militarizada vamos tentar acabar com essa falta de respeito com o professor”, explicou o capitão Ataliba.

“Vamos também resgatar os símbolos nacionais. A criança irá aprender, desde cedo, o culto à bandeira, a cantar o hino nacional e a se levantar quando o professor entrar parar dar aula. Isso na escola militarizada é fácil de se conseguir. Vamos ter militares da reserva e da ativa do Exército orientando os profissionais da Educação neste sentido”, concluiu o candidato.

Quando questionado se ele não teme que a escola passe a ser uma extensão de um quartel do Exército, Ataliba afirma que isso não aconteceria. Não há esse temor.