5 de março de 2024 01:37

Receita corrente líquida de Osasco cresce 3% em 2023
Vereador sugere que Prefeitura crie dicionário de ruas de Osasco
Joel Nunes pede proibição de caminhões e ônibus em rua do Km18
Marcos Neves vai anunciar em abril seu candidato a prefeito
"Governo Lula repassou R$ 17 milhões a Carapicuíba em janeiro", diz ministro
Após ameaçar ex-esposa, assassino pula de altura de 4 metros e quebra o pé

5 de março de 2024 01:37

Receita corrente líquida de Osasco cresce 3% em 2023
Vereador sugere que Prefeitura crie dicionário de ruas de Osasco
Joel Nunes pede proibição de caminhões e ônibus em rua do Km18
Marcos Neves vai anunciar em abril seu candidato a prefeito
"Governo Lula repassou R$ 17 milhões a Carapicuíba em janeiro", diz ministro
Após ameaçar ex-esposa, assassino pula de altura de 4 metros e quebra o pé
Estado recebe dia 20 as primeiras 120 mil doses da Coronavac

(Divulgação)

Mari Magdesian    -
09 de novembro de 2020

Após autorização da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) e das Autoridades Sanitárias da China, o Instituto Butantan receberá as primeiras 120 mil doses da Coronavac com chegada prevista para o dia 20 de novembro no Aeroporto Internacional de Guarulhos. A matéria-prima será transportada em bolsas de 200 litros dispostas em containers refrigerados, já que a Coronavac não necessita de temperaturas negativas para seu armazenamento.

Até dezembro de 2020, o Instituto Butantan receberá 46 milhões de doses da Coronavac, sendo 6 milhões de doses da vacina já prontas para aplicação e outras 40 milhões que serão formuladas e envasadas em fábrica própria do Instituto. Outras 15 milhões de doses devem chegar até fevereiro de 2021. O transporte da matéria-prima usada na vacina será feito por aviões fretados e comerciais para transportar a carga da China até o Brasil.

Em fase final de estudos clínicos no Brasil, a Coronavac é considerada uma das vacinas mais promissoras no mundo, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), e vem sendo testada em sete estados brasileiros, além do Distrito Federal.

Coordenado pelo Instituto Butantan, os testes envolvem 13 mil profissionais de saúde em centros de pesquisa de São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Rio Grande do Sul, Paraná, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Distrito Federal. Até o momento, mais de 10 mil pessoas já receberam ao menos uma das duas doses da vacina ou placebo.

Assim que os estudos clínicos comprovarem os índices de segurança e eficácia, a Coronavac será submetida ao devido registro da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para, somente depois, ser distribuída para a vacinação da população.

Nesta segunda-feira (9) o governador João Doria esteve no Instituto Butantan para acompanhar o início das obras da nova fábrica da vacina Coronavac. Com capacidade de produção de 100 milhões de doses por ano, a planta será construída com doações da iniciativa privada realizadas durante as reuniões do Comitê Empresarial Solidário e Econômico.