21 de junho de 2024 23:23

Incursão em favela resulta na apreensão de quase duas mil porções de drogas
"Operações nas divisas vão continuar", diz coronel Virgolino
Vôlei Osasco apresenta elenco da temporada 2024/2025
Em 4h, polícia e GCM vistoriam 196 pessoas, 71 motos e 25 carros na divisa de Osasco e Carapicuíba
Cotia prevê orçamento de R$ 1,7 bilhão para 2025
Em um mês região ganhará 1° "shopping aberto" semelhante aos da Europa e EUA

21 de junho de 2024 23:23

Incursão em favela resulta na apreensão de quase duas mil porções de drogas
"Operações nas divisas vão continuar", diz coronel Virgolino
Vôlei Osasco apresenta elenco da temporada 2024/2025
Em 4h, polícia e GCM vistoriam 196 pessoas, 71 motos e 25 carros na divisa de Osasco e Carapicuíba
Cotia prevê orçamento de R$ 1,7 bilhão para 2025
Em um mês região ganhará 1° "shopping aberto" semelhante aos da Europa e EUA
Homem morre em UPA à espera de atendimento

Divulgação

Da redação     -
17 de maio de 2024

Um homem de 45 anos morreu dentro da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) Rio Pequeno, na Zona Oeste, no limite de Osasco com São Paulo, enquanto aguardava por uma consulta nessa quarta-feira (15). A UPA foi inaugurada há 20 dias.

A mulher do paciente, identificado como Lúcio Gomes de Moura, disse que o marido foi à unidade pois estava sentindo dores abdominais e dormência nas pernas. Segundo ela, Lúcio chegou à unidade às 7h e, às 13h, recebeu medicação para a dor abdominal.

Pouco depois, as pernas começaram a doer muito, segundo a mulher, e o marido passou a esperar por um novo atendimento. Uma médica teria prescrito outra medicação e informava sobre a liberação do paciente para a mulher quando ele infartou dentro da UPA.

A Secretaria Municipal de Saúde lamentou a morte de Lúcio e se solidarizou com sua família. “O paciente estava recebendo orientação, quando apresentou mal súbito e evoluiu ao óbito. O caso foi encaminhado ao serviço de verificação de óbito para esclarecimento”, disse a pasta, em nota.

A Secretaria informou, ainda, que devido ao aumento da demanda hospitalar relacionada às doenças respiratórias e dengue, as unidades estão priorizando o atendimento dos quadros de maior gravidade, ” seguindo o protocolo de classificação de risco Manchester”.