26 de maio de 2024 16:15

Aposta de Osasco leva prêmio de 1,2 milhão na Lotofácil
Capotamento "trava" Raposo Tavares no sentido Capital
Tarcísio autoriza 16 radares na Raposo entre Cotia e SP; veja locais
Ana Paula Rossi deixa Câmara de Osasco por um mês
Cajamar faz Expo Emprego com maior oferta de vagas da história da Região Metropolitana
Emidio diz que “escola não é quartel” sobre escola cívico-militar

26 de maio de 2024 16:15

Aposta de Osasco leva prêmio de 1,2 milhão na Lotofácil
Capotamento "trava" Raposo Tavares no sentido Capital
Tarcísio autoriza 16 radares na Raposo entre Cotia e SP; veja locais
Ana Paula Rossi deixa Câmara de Osasco por um mês
Cajamar faz Expo Emprego com maior oferta de vagas da história da Região Metropolitana
Emidio diz que “escola não é quartel” sobre escola cívico-militar
Juíza solta "bandido da bota ortopédica" em Audiência de Custódia

Divulgação

Da redação     -
29 de abril de 2024

Juíza solta “bandido da bota ortopédica” em Audiência de Custódia.Na decisão, a juíza Leila Andrade Curto considerou que a prisão de Charles Araújo dos Reis com arma e moto com placa encoberta não eram suficientes para transformar a prisão em flagrante feita pela Polícia Militar em prisão preventiva.

A mulher do vídeo, participou da Audiência de Custódia e confirmou ser Charles o rapaz que a assaltou.

Os policiais militares também relataram a necessidade de uso de força e algemas no ato da prisão em flagrante do criminoso. Ele tentou fugir e só foi detido porque caiu da moto.

Há vídeos nas redes sociais de várias pessoas alegando terem sido assaltadas, provavelmente, por Charles devido o uso da “bota ortopédica” e da mesma moto branca em diversos assaltos em Cotia.

Para a juíza, Charles deu a entender que a arma encontrada com ele foi plantada pelos policiais. Já a placa tampada pode ter sido “arte” das crianças da rua onde ele mora.

Em resumo: Charles foi solto e procurou um médico para ver seu pé, já que sentia dores. Sobre ele são creditados possíveis 20 assaltos nas últimas semanas em Cotia.

A decisão da juíza

Em sua decisão a juíza alegou: “que o delito imputado nestes autos é apenas de porte de arma e adulteração de placas. Que não há sequer notícia de Inquérito Policial instaurado para apurar o delito de roubo mencionado no depoimento da vítima. Diante disso, e considerando que o presente APF (Ato de Prisão em Flagrante) não se refere ao delito de roubo, não há como se utilizar tal fato como elemento para a análise do caso concreto. Tem-se, pois, no caso ora versado, delito de pouca gravidade e que não envolve O emprego de violência ou grave ameaça. Em que pese a reincidência, o crime supostamente praticado é de médio potencial ofensivo, de maneira que as medidas cautelares diversas da prisão se mostram suficientes”.