18 de julho de 2024 09:04

Primeiro "ponto de ônibus digital" está em fase de teste em Osasco
Santana de Parnaíba inicia comemorações ao dia de Santa Ana
Água jorra a 5m de altura após rompimento de adutora
Motorista larga ônibus com passageiros na Raposo Tavares e vai para casa
Cães sem água e sem comida há dias são resgatados em Osasco
Prefeitura de Osasco faz testagem de hepatites B e C

18 de julho de 2024 09:04

Primeiro "ponto de ônibus digital" está em fase de teste em Osasco
Santana de Parnaíba inicia comemorações ao dia de Santa Ana
Água jorra a 5m de altura após rompimento de adutora
Motorista larga ônibus com passageiros na Raposo Tavares e vai para casa
Cães sem água e sem comida há dias são resgatados em Osasco
Prefeitura de Osasco faz testagem de hepatites B e C
Justiça condena homem pela morte de Vitória Gabrielly

foto: reprodução

Da redação     -
24 de novembro de 2020

A Justiça condenou em dois processos um homem indiciado por homicídio e apontado como mandante da cobrança de uma dívida de drogas que terminou com a morte da estudante Vitória Gabrielly, de 12 anos, em Araçariguama.

O crime aconteceu em junho de 2018. O corpo foi localizado em um matagal. A menina foi morta por engano depois de ser confundida com a irmã de um rapaz que devia para os traficantes.

Somando as sentenças da Justiça em Itapevi e da Comarca de São Roque, o réu deve cumprir 25 anos de prisão por tráfico de drogas, associação criminosa, posse de arma e munição. O homem foi preso em 2019 quando era investigado por comandar o tráfico em Araçariguama. Uma denúncia anônima informou que ele estaria no bairro Jardim Brasil recolhendo dinheiro de drogas quando teve o carro parado por policiais civis.

Segundo a Polícia Civil na época ele tinha confessado o comando da venda de entorpecentes nos pontos do Jardim Brasil. Ele morava em Itapevi com a esposa. Ainda cabe recurso na Justiça sob as sentenças nas Comarcas de São Roque e Itapevi.

Entenda o caso

Dias depois da morte de Vitória, um morador de Mairinque procurou a polícia e disse que o servente de pedreiro Júlio havia contado para ele que esteve com um casal e a menina achada morta. A informação desdobrou a investigação e identificação de três pessoas: além de Júlio, também foi identificado o casal Bruno e Mayara.

Os três estão presos em Tremembé, no Vale do Paraíba, enquanto o processo corre pela comarca de São Roque. Eles negaram os crimes. Júlio foi o único condenado em um júri no processo da morte de Vitória Gabrielly. O casal deve ser julgado em 2021. (fonte: g1.com.br)