17 de julho de 2024 13:11

Cães sem água e sem comida há dias são resgatados em Osasco
Prefeitura de Osasco faz testagem de hepatites B e C
Veja imagem de ladrões de se rendendo após perseguição pela GCM
Bairros da Zona Norte vão ganhar três pontes em agosto
Ecopontos recolhem mil toneladas de resíduos por mês
"Carga Segura" vistoria 35 caminhões e multa 10 motoristas

17 de julho de 2024 13:11

Cães sem água e sem comida há dias são resgatados em Osasco
Prefeitura de Osasco faz testagem de hepatites B e C
Veja imagem de ladrões de se rendendo após perseguição pela GCM
Bairros da Zona Norte vão ganhar três pontes em agosto
Ecopontos recolhem mil toneladas de resíduos por mês
"Carga Segura" vistoria 35 caminhões e multa 10 motoristas
Mãe sabia que filha era molestada pelo marido

(Foto ilustrativa)

Da redação     -
22 de outubro de 2020

No último dia 16 a polícia civil prendeu, em Itapevi, um homem acusado de molestar sua enteada de apenas 10 anos dentro da própria casa. Segundo os investigadores, a vítima contou para a mãe que o padrasto tirou seu órgão genital para fora da calça e pediu que ela passasse a mão e acariciasse, mas a mãe não acreditou.

A criança então decidiu pedir ajuda à avó. A avó contou para a mãe da menina o que tinha acontecido, mas novamente a mulher não acreditou e não tomou providências.

“Tomamos conhecimento dos fatos quando a avó da criança foi até a Delegacia de Defesa da Mulher de Itapevi comunicar este crime bárbaro realizado contra sua neta”, disse Denise Simonaka dos Santos, investigadora e chefe de polícia que participou da ocorrência ao lado do agente policial Felipe Garotti Borges da Silva.

Segundo a vítima, a situação aconteceu apenas uma vez. O padrasto e a mãe da vítima vivem em união estável há quatro anos. O casal tem um filho, de dois anos.

“Fizemos a prisão dele no Centro de Itapevi. Ele estava trabalhando, não reagiu nem ofereceu resistência”, completou Denise. A prisão foi representada pela delegada titular da doutora Priscila Camargo Campos Gonçalves.

Para as mães, a investigadora Denise deixou um recado: “Oriento as mães a aconselharem seus filhos de que ninguém pode tocar neles, principalmente nas partes íntimas, e caso isso venha a acontecer, que a criança não tenha medo ou vergonha de contar para a mãe ou responsável, para que seja lavrado o mais breve possível o Boletim de Ocorrência respectivo. E também que as mães tenham muito cuidado ao colocarem estranhos dentro de casa”. (Graciela Zabotto e Maranhão)