5 de março de 2024 00:42

Receita corrente líquida de Osasco cresce 3% em 2023
Vereador sugere que Prefeitura crie dicionário de ruas de Osasco
Joel Nunes pede proibição de caminhões e ônibus em rua do Km18
Marcos Neves vai anunciar em abril seu candidato a prefeito
"Governo Lula repassou R$ 17 milhões a Carapicuíba em janeiro", diz ministro
Após ameaçar ex-esposa, assassino pula de altura de 4 metros e quebra o pé

5 de março de 2024 00:42

Receita corrente líquida de Osasco cresce 3% em 2023
Vereador sugere que Prefeitura crie dicionário de ruas de Osasco
Joel Nunes pede proibição de caminhões e ônibus em rua do Km18
Marcos Neves vai anunciar em abril seu candidato a prefeito
"Governo Lula repassou R$ 17 milhões a Carapicuíba em janeiro", diz ministro
Após ameaçar ex-esposa, assassino pula de altura de 4 metros e quebra o pé
Mãe sabia que filha era molestada pelo marido

(Foto ilustrativa)

dev    -
22 de outubro de 2020

No último dia 16 a polícia civil prendeu, em Itapevi, um homem acusado de molestar sua enteada de apenas 10 anos dentro da própria casa. Segundo os investigadores, a vítima contou para a mãe que o padrasto tirou seu órgão genital para fora da calça e pediu que ela passasse a mão e acariciasse, mas a mãe não acreditou.

A criança então decidiu pedir ajuda à avó. A avó contou para a mãe da menina o que tinha acontecido, mas novamente a mulher não acreditou e não tomou providências.

“Tomamos conhecimento dos fatos quando a avó da criança foi até a Delegacia de Defesa da Mulher de Itapevi comunicar este crime bárbaro realizado contra sua neta”, disse Denise Simonaka dos Santos, investigadora e chefe de polícia que participou da ocorrência ao lado do agente policial Felipe Garotti Borges da Silva.

Segundo a vítima, a situação aconteceu apenas uma vez. O padrasto e a mãe da vítima vivem em união estável há quatro anos. O casal tem um filho, de dois anos.

“Fizemos a prisão dele no Centro de Itapevi. Ele estava trabalhando, não reagiu nem ofereceu resistência”, completou Denise. A prisão foi representada pela delegada titular da doutora Priscila Camargo Campos Gonçalves.

Para as mães, a investigadora Denise deixou um recado: “Oriento as mães a aconselharem seus filhos de que ninguém pode tocar neles, principalmente nas partes íntimas, e caso isso venha a acontecer, que a criança não tenha medo ou vergonha de contar para a mãe ou responsável, para que seja lavrado o mais breve possível o Boletim de Ocorrência respectivo. E também que as mães tenham muito cuidado ao colocarem estranhos dentro de casa”. (Graciela Zabotto e Maranhão)