26 de maio de 2024 06:02

Aposta de Osasco leva prêmio de 1,2 milhão na Lotofácil
Capotamento "trava" Raposo Tavares no sentido Capital
Tarcísio autoriza 16 radares na Raposo entre Cotia e SP; veja locais
Ana Paula Rossi deixa Câmara de Osasco por um mês
Cajamar faz Expo Emprego com maior oferta de vagas da história da Região Metropolitana
Emidio diz que “escola não é quartel” sobre escola cívico-militar

26 de maio de 2024 06:02

Aposta de Osasco leva prêmio de 1,2 milhão na Lotofácil
Capotamento "trava" Raposo Tavares no sentido Capital
Tarcísio autoriza 16 radares na Raposo entre Cotia e SP; veja locais
Ana Paula Rossi deixa Câmara de Osasco por um mês
Cajamar faz Expo Emprego com maior oferta de vagas da história da Região Metropolitana
Emidio diz que “escola não é quartel” sobre escola cívico-militar
Membros do PCC que tinham "cemitério clandestino" na região são condenados a 300 anos

Divulgação

Maranhão Gomes     -
27 de fevereiro de 2024

Quatro integrantes do Primeiro Comando da Capital (PCC) foram condenados em júri popular por organização criminosa armada, cinco homicídios qualificados e ocultação de cadáveres. O caso envolve a descoberta de um cemitério clandestino em Carapicuíba.

A condenação aconteceu na terça-feira (20), no Tribunal do Júri do município. As penas somadas ultrapassam 300 anos de prisão, informou o Ministério Público de São Paulo.

De acordo com a promotoria, as investigações tiveram início durante a apuração de diversos crimes de tráfico de drogas praticados por integrantes do PCC.

Em janeiro de 2022, a equipe da Polícia Civil, chefiada pelo delegado Marcelo José do Prado, encontrou um cemitério clandestino da facção. No local, os integrantes matavam e enterravam as vítimas após julgamento feito pelo “tribunal do crime”.

A polícia encontrou cinco corpos no local, que fica na Favela do Chiclete, em Carapicuíba. Conforme o MP, um dos corpos era de uma policial civil de Jandira e que exercia as funções na capital paulista e tinha desaparecido.

Os integrantes do PCC, que estão presos, não poderão responder em liberdade, segundo a promotoria. Cabe recurso à decisão.