14 de julho de 2024 22:31

Mandato coletivo AtivOz busca reeleição com nova formação
Camila Godói se reúne com Márcio França e conquista recurso para Escola do Futuro
Prefeitura Osasco implanta Operação Inverno até setembro
Musical “Os Saltimbancos” se apresenta domingo em Osasco
Fundo Social faz chamamento público para decoração natalina
Libânia Aparecida é pré-candidata a vereadora pelo PSD em Osasco

14 de julho de 2024 22:31

Mandato coletivo AtivOz busca reeleição com nova formação
Camila Godói se reúne com Márcio França e conquista recurso para Escola do Futuro
Prefeitura Osasco implanta Operação Inverno até setembro
Musical “Os Saltimbancos” se apresenta domingo em Osasco
Fundo Social faz chamamento público para decoração natalina
Libânia Aparecida é pré-candidata a vereadora pelo PSD em Osasco
"Não é sobre mulheres e meninas, por mais que pareça, é sobre quem tem mais força política, é sobre eles", diz Débora Lapas sobre PL do aborto

Divulgação

Da redação     -
17 de junho de 2024

Secretária Executiva da Mulher e Diversidade de Osasco, Débora Lapas, postou vídeo nas redes sociais se posicionando sobre o PL 1904 que equipara o aborto, realizado após 22 semanas de gestação, ao crime de homicídio simples, inclusive nos casos de gravidez resultante de estupro.

A propositura, apresentada por 32 deputados federais da bancada evangélica, também chamada do “PL da Gravidez Infantil”, prevê que meninas e mulheres que vierem fazer o procedimento, inclusive quando vítimas de estupro, terão penas de seis a 20 anos de reclusão.

Débora Lapas afirma que resolveu se posicionar não pelo conteúdo do projeto, mas por tudo que engloba e pela manobra política que carrega.

“Não é sobre mulheres e meninas por mais que pareça, é sobre quem tem mais força política e, diante disso, vou parafrasear Simone de Beauvoir que cabe tanto nesse momento onde ela diz: Nunca se esqueça que basta uma crise política, econômica ou religiosa, para que os direitos das mulheres sejam questionados. Esses direitos não são permanentes. Você terá que manter-se vigilante por toda a sua vida”, desabafou a secretária.

“E mais uma vez nossos direitos são colocados à prova e questionados. E com isso ficam as seguintes perguntas: realmente estão pensando o quanto isso tudo irá atingir quem mais sofre, quem foi estuprada, quem já está dilascerada? Ou é sobre eles? Quem terá mais poder no final?”, completou Débora Lapas.

O Conselho Pleno do OAB (Ordem dos Advogados) aprovou, por aclamação, pela inconstitucionalidade do Projeto de Lei que tramita na Câmara dos Deputados em Brasília.

A enquete sobre o PL da gravidez infantil no portal da Câmara dos Deputados já bateu um milhão de votos, com 88% contra a proposta.

A reação da sociedade também tem gerado protestos e movimentos em todo o pais. No Rio Grande do Sul, a campanha “Criança não é mãe” tomou as ruas de Perto Alegre contra o projeto e em defesa das mulheres.

Além dos gritos de “criança não é mãe, estuprador não é pai”, os manifestantes também pediam pela saída do deputado Arthur Lira (PP-AL), que colocou o PL em regime de urgência, na quarta-feira (12), permitindo que seja votado no plenário da Casa sem passar antes pelas comissões pertinentes. A ação fez com que eclodisse manifestações pelas ruas de diversas cidades do país entre quinta (13) e sexta-feira (14), como também pelas redes sociais.