27 de maio de 2024 19:16

Café Sampa celebra Dia do Hambúrguer com 50% de desconto nos combos
PRTB oficializa Pablo Marçal pré-candidato a prefeito de São Paulo
Defesa Civil de Jandira e GCM chegam ao Rio Grande do Sul
Moradora denuncia vazamento de água em Carapicuíba
Trio rouba adega durante madrugada em Carapicuíba; veja vídeo
Vendedores ambulantes ganham espaços fixos na Fazendinha

27 de maio de 2024 19:16

Café Sampa celebra Dia do Hambúrguer com 50% de desconto nos combos
PRTB oficializa Pablo Marçal pré-candidato a prefeito de São Paulo
Defesa Civil de Jandira e GCM chegam ao Rio Grande do Sul
Moradora denuncia vazamento de água em Carapicuíba
Trio rouba adega durante madrugada em Carapicuíba; veja vídeo
Vendedores ambulantes ganham espaços fixos na Fazendinha
Não há indícios de segunda onda da Covid em Osasco

(foto Eliane Tafu)

dev    -
17 de novembro de 2020

Em entrevista coletiva à imprensa, nesta terça-feira (17), no Hotel The Premium, o prefeito reeleito, Rogério Lins (Podemos), disse que não há indícios de uma segunda onda da Covid-19 em Osasco. Segundo ele, caso isso ocorra a cidade estará pronta para atender a demanda já que a prefeitura optou por equipar a rede municipal e não por Hospitais de Campanha. “Somente o segundo andar do Pronto Socorro do Jardim D´Abril tem 30 leitos para Covid. A estrutura montada permanece”, explicou.

Já quanto a uma possível segunda onda de coronavírus em Osasco, Lins disse que não há indícios de que isso aconteça. “Os números de ocupação de respiradores, de leitos, novos casos e mortes diárias são números que eu acompanho todos os dias. Nesse momento não temos nenhuma sinalização preocupante. Continuamos até melhor do que o mês passado. Existia uma previsão de que depois do feriado de 7 de setembro teríamos um ciclo de muitos novos casos, mais 15 dias de muitas novas internações e um ciclo de mais 15 dias de muitos novos óbitos diários. Ainda bem que não aconteceu. Mas a gente vai continuar monitorando. Não podemos fazer afirmação de que essa guerra já acabou”.

Lins também não acredita em um novo fechamento do comércio e sim em uma progressão de fase. “Obviamente o comércio na nossa cidade é um fator preocupante, mas nesse momento não há a menor possibilidade de pensar em retrocesso comercial. Não tem nenhuma previsão de fechamento ou retrocesso das atividades econômicas e comerciais de nossa cidade”, explicou.

Desde março, quando foi decretada quarentena no País, shoppings, lojas de rua, bares, restaurantes, academias e demais estabelecimentos tiveram que baixar as portas para conter a propagação do coronavírus. O governador João Doria criou o Plano São Paulo e a reabertura foi gradual. Foram cinco fases Vermelha, Laranja, Amarela, Verde e Azul. A mais restritiva é a Vermelha, na qual só serviços essenciais podem funcionar. Já na quinta-feira (12), o secretário executivo do Centro de Contingência, João Gabbardo, disse à CNN que “a fase azul está suspensa pelo centro de contingência e descartada para 2020”, disse.

O temor de uma segunda onda da Covid em Osasco existe porque a Europa enfrenta, novamente, aumento no registro de casos e mortes pela Covid. A doença voltou a aterrorizar a Itália, Espanha, França dentre outros países.