14 de julho de 2024 22:53

Mandato coletivo AtivOz busca reeleição com nova formação
Camila Godói se reúne com Márcio França e conquista recurso para Escola do Futuro
Prefeitura Osasco implanta Operação Inverno até setembro
Musical “Os Saltimbancos” se apresenta domingo em Osasco
Fundo Social faz chamamento público para decoração natalina
Libânia Aparecida é pré-candidata a vereadora pelo PSD em Osasco

14 de julho de 2024 22:53

Mandato coletivo AtivOz busca reeleição com nova formação
Camila Godói se reúne com Márcio França e conquista recurso para Escola do Futuro
Prefeitura Osasco implanta Operação Inverno até setembro
Musical “Os Saltimbancos” se apresenta domingo em Osasco
Fundo Social faz chamamento público para decoração natalina
Libânia Aparecida é pré-candidata a vereadora pelo PSD em Osasco
"Nova Raposo" quer 50 km de marginais em área cheia de prédios

Divulgação

Da redação     -
05 de julho de 2024

O governo de São Paulo aprovou nesta quarta-feira (3) um novo edital do contrato de concessão da Rodovia Raposo Tavares que prevê a construção de pistas marginais no trecho entre Cotia e São Paulo e até um pedágio na capital.

O contrato com as atuais concessionárias termina no ano que vem, e o conselho do Programa de Parcerias aprovou o formato do novo edital, que prevê uma série de investimentos e mudanças para melhorar o trânsito da região.

Pelo edital é previsto:

* Construção de 50 km de pistas marginais ao longo do trecho urbano da Raposo; local com prédios e comércios;

* 20 km de quartas faixas para ampliar a capacidade do tráfego, com alças de acesso e passarela de pedestre;

* Um túnel na chegada da capital até as proximidades da Marginal Pinheiros, com três viadutos para desafogar o trânsito;

* Pedágio na capital, na altura do km 11. Segundo o governo, o pedágio será colocado na via expressa. Quem não quiser pagar pode seguir pelas laterais da pista.

A concessão deu origem ao movimento “Nova Raposo Não”, formado por engenheiros, moradores e comerciantes das margens da rodovia. Segundo eles, as obras podem gerar milhares de desapropriações, incluindo áreas de proteção ambiental e de contenção de enchentes.

Raquel França Carneiro, diretora da Companhia Paulista de Parcerias, afirma que os moradores das regiões afetadas serão ouvidos.

“A gente está fazendo um edital e um contrato de concessão. Agora a gente escreve as regras do jogo, coloca estimativa de investimentos, mas o detalhamento do projeto vai ser feito durante esses três anos. A gente vai ter audiências públicas com as comunidades, isso vai ser feito nesses três primeiros anos”, afirmou.

Os leilões de concessão da Raposo estão previstos para ocorrer em 2025. A rodovia vai ser dividida em dois lotes: rota Sorocabana – que inclui o trecho entre Araçoiaba da Serra e Cotia – e o lote Nova Raposo, trajeto entre Cotia e São Paulo. Quem vencer o segundo lote também vai administrar a Castello Branco.

Para Ivan Maglio, ex-engenheiro da CET e pesquisador em mobilidade pela USP, a concessão é um retrocesso. “É uma rodovia, mas ela está superada porque está dentro de uma área urbana. É o caso de transformá-la numa via urbana, com metrô, transporte de massa, não voltar atrás e fazer uma ampliação da rodovia entrando no território da cidade”, avalia. (com G1)