3 de março de 2024 23:02

Você viu isso? Motoristas saem na porrada na marginal da Raposo
Pré-candidata da extrema-direita diz que constrói base conservadora forte em Osasco
Você viu isso? Homem com facão agride duas pessoas no Calçadão de Osasco
PT realiza plenária para definir plano de governo de Emidio de Souza
Homem perde controle, estoura vidro de cartório e fere funcionária de forma grave
Reforma da rodoviária de Osasco deve começar em 70 dias

3 de março de 2024 23:02

Você viu isso? Motoristas saem na porrada na marginal da Raposo
Pré-candidata da extrema-direita diz que constrói base conservadora forte em Osasco
Você viu isso? Homem com facão agride duas pessoas no Calçadão de Osasco
PT realiza plenária para definir plano de governo de Emidio de Souza
Homem perde controle, estoura vidro de cartório e fere funcionária de forma grave
Reforma da rodoviária de Osasco deve começar em 70 dias
Osasco deve ter 1ª Casa de Acolhimento contra violência a LGBTQIA+
dev    -
04 de outubro de 2021

Durante audiência pública realizada na Câmara Municipal de Osasco para discutir políticas públicas para a população LGBTQIA+, Fabiana Muniz, primeira mulher trans servidora pública de Osasco, mestre de cerimônia e produtora cultural, cobrou ações de Saúde para a população LGBTQIA+ no município. “Foram pensadas diversas políticas públicas. Eu amo animais, vou deixar claro, amo animais, mas temos dois centros veterinários e não pensaram em uma única sala para tratamento das pessoas transexuais e para a população LGBT. Isso me causa muito desconforto, sendo servidora pública”, reforçou.

Silvia Helena, educadora, ativista e coordenadora do programa da Secretaria Executiva de Mulheres e Diversidade, destacou os avanços que a cidade vem conquistando para essa população. “O nosso Centro de Referência LGBTQIA+ já está concluído. O espaço já foi alugado e vai dar todo suporte à classe LGBT da nossa cidade. Vai ter um núcleo, em parceria com a Secretaria da Saúde, para tratar pessoas trans e que queiram fazer hormonização dentro da Policlínica. A prefeitura está avançando cada dia mais para ajudar a nossa classe LGBT”.

Segundo Mônica Veloso, secretária da Secretaria Executiva da Mulher e Promoção da Diversidade, o orçamento da Pasta para os próximos cinco anos é de R$ 40 milhões. Durante a audiência, ela destacou que o objetivo é realizar políticas públicas descentralizadas, a começar pela Casa de Acolhimento, destinada a receber LGBTQIA+ vítimas de violência.

“Tratar desse assunto é tratar de cidadania. ACasa de Acolhimento é uma das primeiras estratégias que estão ali na nossa ordem de prioridade. As políticas que definimos e construímos no planejamento é pensar política descentralizada. Não tem condição de colocar ação só no Centro da cidade, por exemplo. Tem que ter política pública na Zona Sul e na Zona Norte. Vamos começar pela Zona Sul, mas vamos pensar na mesma ação na Zona Norte. A política de hormonização é uma das demandas que discutimos bastante”, citou Mônica na tribuna, ressaltando que este ano a Pasta não teve orçamento próprio.

Questionada sobre qual será o endereço da Casa de Acolhimento, Mônica explicou que “nesse momento prefere ainda não divulgar o local e que a secretaria já está fazendo os ajustes necessários com uma equipe multidisciplinar”.

A audiência pública foi presidida pela vereadora Juliana da AtivOz (PSOL) e reuniu ativistas, integrantes de ONGs, artistas, simpatizantes, servidores públicos e os parlamentares Pelé da Cândida (MDB) — presidente da Comissão de Políticas Afirmativas de Raça e Gênero — e Ana Paula Rossi (PL).