20 de julho de 2024 00:47

Parada LGBT+ de Osasco acontece neste domingo
Bandido assalta mesma farmácia pela segunda vez
Gari que se veste de "bailarina" vai disputar para vereador em Itapevi
Shopping Central Park abre as portas às 12h do dia 25
Tarcísio vai gastar R$ 7,2 milhões com policiais em apenas 100 escolas cívico-militares
PM prende funcionária de lava-rápido condenada por homicídio até 2040

20 de julho de 2024 00:47

Parada LGBT+ de Osasco acontece neste domingo
Bandido assalta mesma farmácia pela segunda vez
Gari que se veste de "bailarina" vai disputar para vereador em Itapevi
Shopping Central Park abre as portas às 12h do dia 25
Tarcísio vai gastar R$ 7,2 milhões com policiais em apenas 100 escolas cívico-militares
PM prende funcionária de lava-rápido condenada por homicídio até 2040
Polícia lacra posto no Vila Lobos por venda de combustível "batizado"

Divulgação

Da redação     -
17 de junho de 2024

A Polícia Civil, por meio da Delegacia de Investigações Sobre Entorpecentes (DISE) e do Setor de Investigações Gerais (SIG), de Osasco, lacrou o posto de combustíveis Smart Petro Vila Lobos, localizado na avenida Queiroz Filho, 1300, Vila Hamburguesa, São Paulo.

A ação resultou na apreensão de um caminhão trator e um semi-reboque contendo 5.000 litros de metanol, substância proibida para uso como combustível veicular.

A operação foi desencadeada após denúncia anônima de um cliente que abasteceu no posto e o carro passou a apresentar problema.

Por volta das 5h30, os policiais observaram a chegada do caminhão tanque, de placas GGX3338, que passou a descarregar o produto em um dos tanques do posto. Ao abordarem o motorista, identificado como João Mafra de Oliveira, os agentes solicitaram a documentação da carga, mas o condutor não possuía nenhuma nota fiscal.

A fiscalização da Agência Nacional do Petróleo (ANP) foi acionada, e o fiscal Augusto Alzuguir Montijo constatou que o líquido descarregado era metanol.

Além do motorista, os frentistas presentes no local alegaram desconhecer a ilicitude do produto. O proprietário do posto, Douglas Gonçalves Teixeira, não estava presente no momento da ação e nenhum gerente foi encontrado.

Todos os envolvidos foram conduzidos à delegacia para as devidas providências. A perícia, realizada pela perita Ana Luisa, confirmou a adulteração do combustível. Devido às irregularidades, a ANP lacrou as bombas de combustível do posto.

João Mafra de Oliveira foi preso em flagrante pelo crime contra a ordem econômica, conforme o artigo 1.º, parágrafo 1.º, da lei 8.176/91, por distribuir combustível em desacordo com as normas legais. A fiança foi arbitrada em R$ 4.000,00, valor que foi pago, resultando na expedição do alvará de soltura. O caminhão GGX3338 e o metanol foram apreendidos.