19 de julho de 2024 23:40

Bandido assalta mesma farmácia pela segunda vez
Gari que se veste de "bailarina" vai disputar para vereador em Itapevi
Shopping Central Park abre as portas às 12h do dia 25
Tarcísio vai gastar R$ 7,2 milhões com policiais em apenas 100 escolas cívico-militares
PM prende funcionária de lava-rápido condenada por homicídio até 2040
Terremoto no Chile causa tremor em 5 prédios de Cajamar

19 de julho de 2024 23:40

Bandido assalta mesma farmácia pela segunda vez
Gari que se veste de "bailarina" vai disputar para vereador em Itapevi
Shopping Central Park abre as portas às 12h do dia 25
Tarcísio vai gastar R$ 7,2 milhões com policiais em apenas 100 escolas cívico-militares
PM prende funcionária de lava-rápido condenada por homicídio até 2040
Terremoto no Chile causa tremor em 5 prédios de Cajamar
Prefeitura de Osasco proíbe ‘mata-leão’ por agentes da GCM

Divulgação

Da redação     -
10 de julho de 2024

A Prefeitura de Osasco publicou na Imprensa Oficial de sexta-feira (5) o decreto nº 14.291 que proíbe o “uso de técnicas de estrangulamento com qualquer parte do corpo ou tipo de instrumento pelos agentes da Guarda Civil Municipal de Osasco”.

Conforme o decreto, o Art. 1º veda aos agentes da Guarda Civil Municipal de Osasco, no exercício de suas funções, o uso de técnicas de estrangulamento (“mata-leão”), restando vedada a sua aplicação com qualquer parte do corpo ou com a utilização de qualquer tipo de
instrumento.

A decisão foi tomada depois que um ciclista de 27 anos foi agredido por seis agentes da GCM no Centro da cidade. O caso aconteceu no último dia 2.

A Secretaria da Segurança Pública (SSP) disse que o caso foi registrado como desacato e que aguarda o resultado do exame pericial feito no ciclista para anexar ao inquérito.

Os agentes envolvidos na agressão foram afastados dos trabalhos nas ruas e a Corregedoria da Prefeitura de Osasco investiga o caso.

O barbeiro Gustavo Almeida disse que estava indo para o trabalho, pedalando pelo Calçadão da rua Antonio Agu, quando foi abordado por um grupo de guardas municipais. Os agentes diziam que não era permitido o tráfego de bicicleta pela via de comércio.

No depoimento, o rapaz afirmou que discutiu com um dos agentes para que a bicicleta não fosse retirada dele e, em seguida, foi imobilizado por vários outros colegas de farda do GCM.

“Todos os dias passo pelo Calçadão de Osasco e nunca me aconteceu de ser abordado, muito menos daquela maneira. O policial já chegou colocando a mão na minha bicicleta e no meu braço, me obrigando a parar. Pedi para eles tirarem a mão de mim e começou uma discussão. Os policiais me forçaram a encostar a bicicleta e me neguei a descer da bicicleta”, contou.

Imagens feitas por pessoas que passavam pelo local mostram Gustavo sendo imobilizado com um mata-leão por pelo menos três agentes da GCM de Osasco. Antes disso, ele foi atingido por spray de pimenta no rosto.

O barbeiro foi algemado e colocado dentro da viatura da guarda. Ele afirmou que, ao ser detido, foi agredido por cerca de dez outros policiais que faziam a ronda no Calçadão.

Por conta das pancadas, Gustavo teve diversos hematomas pelo corpo e uma torção no braço. Ele fez exame de corpo de delito no Instituto Médico Legal (IML) de Osasco.

O caso foi registrado no 5º Distrito Policial da cidade e no boletim de ocorrência não há nenhuma referência às agressões.

Por meio de nota, a Prefeitura de Osasco disse que afastou seis guardas-civis envolvidos na ação do trabalho nas ruas. Eles serão investigados pela Corregedoria da corporação e ficarão em trabalhos administrativos até a conclusão do inquérito interno.

Logo após Gustavo ser agredido, a vereadora Juliana da AtivOz (Psol) protocolou na Câmara Municipal de Osasco, no dia 4 de julho, o Projeto de Lei nº 55/2024 pedindo a proibição do “uso de práticas de estrangulamento em abordagens da Guarda Civil Municipal”.