26 de maio de 2024 07:00

Aposta de Osasco leva prêmio de 1,2 milhão na Lotofácil
Capotamento "trava" Raposo Tavares no sentido Capital
Tarcísio autoriza 16 radares na Raposo entre Cotia e SP; veja locais
Ana Paula Rossi deixa Câmara de Osasco por um mês
Cajamar faz Expo Emprego com maior oferta de vagas da história da Região Metropolitana
Emidio diz que “escola não é quartel” sobre escola cívico-militar

26 de maio de 2024 07:00

Aposta de Osasco leva prêmio de 1,2 milhão na Lotofácil
Capotamento "trava" Raposo Tavares no sentido Capital
Tarcísio autoriza 16 radares na Raposo entre Cotia e SP; veja locais
Ana Paula Rossi deixa Câmara de Osasco por um mês
Cajamar faz Expo Emprego com maior oferta de vagas da história da Região Metropolitana
Emidio diz que “escola não é quartel” sobre escola cívico-militar
Presidente da Federação Mineira diz que "casa" do vôlei Osasco é “ambiente inóspito”

Divulgação

Da redação     -
16 de abril de 2024

Na noite desta sexta-feira (12), após a eliminação do Vôlei Osasco para o Gerdau Minas na semifinal da Superliga Feminina de Vôlei, membros da comissão técnica, incluindo o técnico Luizomar de Moura, se envolveram em uma confusão com funcionários da Federação Mineira de Vôlei (FMV) na quadra.

A comissão técnica do vôlei Osasco se sentiu prejudicada pelas decisões do árbitro de vídeo que opera o chamado Desafio, uma espécie de Var do vôlei. A equipe alegou que algumas imagens mostradas no telão eram de ângulos desfavoráveis a Osasco e davam vantagem ao Minas.

Osasco perdeu o jogo e seu técnico Luizomar de Moura perdeu a cabeça. Após a partida, ele foi tirar satisfação com o árbitro. Começou a confusão. Toda a equipe técnica do Osasco entrou no meio. Membros da Confecção Mineira de Vôlei também. Foi chute, xingamento e empurrão para tudo que é lado.

O caso foi parar na delegacia e na Justiça Esportiva. Osasco voltou para casa e o time de Minas se prepara para enfrentar final o Praia Clube, de Uberlândia, em mais uma final “pão de queijo”.

Em entrevista ao portal de notícias GE, a presidente da Federação Mineira de Vôlei, Marise Xavier Brandão, criticou a postura do Osasco, afirmando que seria feita uma representação junto à Confederação Brasileira de Vôlei. Marise também disse que o ginásio José Liberatti, casa do Vôlei Osasco, é um ambiente inóspito, ou seja, que não é agradável ou gentil com outras pessoas.

“Foi um escândalo. Você perde na quadra e quer ganhar no braço? Lá em Osasco, a gente sabe como o ambiente é inóspito. Se acontecesse isso lá, seria uma tragédia. Vamos fazer uma representação seríssima junto à CBV, pedindo punição. Tem que haver uma punição. Tanto essa campanha contra agressões, e há essas tentativas de agressão. Isso que me chamou”, afirmou.

A FMV realizou um boletim de ocorrência na Delegacia de Plantão da Polícia Civil de Minas Gerais, em Belo Horizonte, para relatar o caso.