21 de maio de 2024 05:05

Sindicato pede que Estado fiscalize aumento abusivo de arroz, feijão, leite e óleo
Santana de Parnaíba terá Batalha dos Assadores pela primeira vez
Usuária de droga agride "amigo do crack" com marreta
Bandido condenado a 6 anos é preso em calçada no Portal D'Oeste
Jovem é confundido com bandido durante brincadeira de "polícia e ladrão"
Motoqueiros armados rendem vítimas para roubar aliança

21 de maio de 2024 05:05

Sindicato pede que Estado fiscalize aumento abusivo de arroz, feijão, leite e óleo
Santana de Parnaíba terá Batalha dos Assadores pela primeira vez
Usuária de droga agride "amigo do crack" com marreta
Bandido condenado a 6 anos é preso em calçada no Portal D'Oeste
Jovem é confundido com bandido durante brincadeira de "polícia e ladrão"
Motoqueiros armados rendem vítimas para roubar aliança
Projeto de Lei de Gerson Pessoa propõe Comitê de Resolução de Disputas em Contratos Administrativos em São Paulo

Divulgação

Da redação     -
14 de fevereiro de 2024

O deputado estadual Gerson Pessoa apresentou na Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo o projeto de lei nº 01/2024, que propõe a criação de um Comitê de Prevenção e Solução de Disputas em contratos administrativos continuados celebrados pelo Estado.

O projeto busca introduzir mecanismos mais eficientes de resolução de conflitos, visando à otimização da administração pública e a economia de recursos.

A iniciativa do deputado Gerson Pessoa surge em um contexto onde os litígios judiciais referentes a contratos administrativos representam um desafio significativo para o Estado.

O projeto visa instituir um comitê multidisciplinar, composto por especialistas em direito administrativo, financeiro e técnico do objeto contratual, para atuar de forma preventiva e solucionar disputas antes que elas evoluam para processos judiciais.

O PL 01/2024 estabelece que o comitê atuará em contratos de natureza continuada, comumente presentes em áreas como construção civil, serviços de manutenção e fornecimento de bens.

Segundo Gerson Pessoa, “o objetivo é proporcionar uma gestão de contratos mais ágil e menos litigiosa, permitindo que tanto o Estado quanto os contratados possam solucionar divergências de forma mais eficaz e menos onerosa”.

Além disso, o projeto prevê que o comitê terá função consultiva, podendo ser acionado pelas partes envolvidas no contrato a qualquer momento. Isso permitiria um acompanhamento mais próximo das execuções contratuais, identificando e solucionando possíveis problemas de forma proativa.