19 de abril de 2024 06:07

Alunos de Osasco participam do projeto “Sua saúde começa pela boca”
Basket Osasco conhece sua primeira derrota no Brasileiro
Prefeituras retomam desassoreamento do rio Cotia no Maria Helena
César Menotti e Fabiano cantam na 81ª Romaria de Caucaia a Pirapora
“O nego vai longe”: osasquense chega no domingo após volta ao mundo
Osasco integra programa nacional sobre segurança alimentar

19 de abril de 2024 06:07

Alunos de Osasco participam do projeto “Sua saúde começa pela boca”
Basket Osasco conhece sua primeira derrota no Brasileiro
Prefeituras retomam desassoreamento do rio Cotia no Maria Helena
César Menotti e Fabiano cantam na 81ª Romaria de Caucaia a Pirapora
“O nego vai longe”: osasquense chega no domingo após volta ao mundo
Osasco integra programa nacional sobre segurança alimentar
Régia diz que demissão no Bradesco é desumana

(Divulgação)

dev    -
20 de outubro de 2020

Vereadora de Osasco, doutora Régia (PDT) apresentou, na Câmara Municipal, moção de repúdio contra as 427 demissões de funcionários e o fechamento de cerca de 500 agências do Bradesco no Brasil. “Há um acordo com os sindicatos da categoria de não praticar desligamentos enquanto persistir a pandemia no Brasil”, justificou Régia.

Ela ainda completou: “Neste momento tão delicado do país e do mundo, é essencial a manutenção do emprego e renda. Portanto, qualquer demissão nesse momento é algo devastador. Não existe razão para tamanha desumanidade, frente as elevadas cifras lucrativas que apresenta o Bradesco”, ressaltou.

Em Carapicuíba, a vereadora professora Cida Lula Carlos (PT) engrossou o coro de repúdio na região. Ela também apresentou moção na Câmara Municipal com as mesmas justificativas. Ela ainda citou os lucros do banco no primeiro semestre deste ano. “O banco Bradesco faturou R$ 7,626 bilhões, um crescimento de 3,2% em comparação ao mesmo período do ano passado”. E completou: “Todo crescimento econômico do Bradesco apresentado recentemente é o resultado construído pelos trabalhadores do banco diariamente. Trabalhadores estes que, neste momento tão delicado do país e do mundo, não podem ser demitidos. Não existe qualquer razão para tamanha desumanidade. Estamos falando de vidas, famílias, não de números”.

Além do Bradesco, o banco Santander já demitiu mil funcionários. Já o Itaú soma 400 desligamentos.