22 de junho de 2024 00:57

Incursão em favela resulta na apreensão de quase duas mil porções de drogas
"Operações nas divisas vão continuar", diz coronel Virgolino
Vôlei Osasco apresenta elenco da temporada 2024/2025
Em 4h, polícia e GCM vistoriam 196 pessoas, 71 motos e 25 carros na divisa de Osasco e Carapicuíba
Cotia prevê orçamento de R$ 1,7 bilhão para 2025
Em um mês região ganhará 1° "shopping aberto" semelhante aos da Europa e EUA

22 de junho de 2024 00:57

Incursão em favela resulta na apreensão de quase duas mil porções de drogas
"Operações nas divisas vão continuar", diz coronel Virgolino
Vôlei Osasco apresenta elenco da temporada 2024/2025
Em 4h, polícia e GCM vistoriam 196 pessoas, 71 motos e 25 carros na divisa de Osasco e Carapicuíba
Cotia prevê orçamento de R$ 1,7 bilhão para 2025
Em um mês região ganhará 1° "shopping aberto" semelhante aos da Europa e EUA
SinHoRes orienta empresas a processarem Enel por prejuízos causados pelo apagão

Divulgação

Da redação     -
09 de novembro de 2023

O SinHoRes (Sindicato Empresarial de Hotéis, Restaurantes, Bares, Padarias, Buffets, Casas Noturnas e Similares) está orientando que as empresas procurem o Departamento Jurídico do sindicato para ingressar com ações contra a concessionária Enel para ressarcimento das perdas causadas pela falta de energia.

Apagão começou na sexta, 3, à tarde, após forte tempestade que atingiu o Estado de São Paulo. Na quarta, 8, a Enel informou que 99,5% do fornecimento havia sido restabelecido. Alguns bairros da região chegaram a ficar mais de 100 horas sem energia elétrica.

“É importante guardar notas, fotografar, enfim, colher provas dos danos para que eles possam ser contabilizados. Estamos prontos para ingressar com as ações”, informou Edson Pinto, presidente do Sindicato.

O SinHoRes também solicitou ao Governo do Estado de São Paulo e às Prefeituras Municipais o adiamento de impostos, como o ICMS e o ISS.

“As empresas do setor ainda estão lidando com os prejuízos causados pela pandemia, principalmente, os micro e pequenos empreendedores”, pontuou o sindicato.

Segundo levantamento da Fhoresp (Federação Empresarial de Hotéis, Restaurantes e Bares do Estado de São Paulo), a estimativa é de que prejuízo os prejuízos somados pelos filiados seja de R$ 500 milhões. “Isso repercutirá por meses nas contas dos estabelecimentos”, afirmou Edson Pinto, que também é presidente da Federação.