3 de março de 2024 23:14

Você viu isso? Motoristas saem na porrada na marginal da Raposo
Pré-candidata da extrema-direita diz que constrói base conservadora forte em Osasco
Você viu isso? Homem com facão agride duas pessoas no Calçadão de Osasco
PT realiza plenária para definir plano de governo de Emidio de Souza
Homem perde controle, estoura vidro de cartório e fere funcionária de forma grave
Reforma da rodoviária de Osasco deve começar em 70 dias

3 de março de 2024 23:14

Você viu isso? Motoristas saem na porrada na marginal da Raposo
Pré-candidata da extrema-direita diz que constrói base conservadora forte em Osasco
Você viu isso? Homem com facão agride duas pessoas no Calçadão de Osasco
PT realiza plenária para definir plano de governo de Emidio de Souza
Homem perde controle, estoura vidro de cartório e fere funcionária de forma grave
Reforma da rodoviária de Osasco deve começar em 70 dias
“Vacinas são experimentais e passaporte para cultos perseguição religiosa”, diz vereador de Osasco

Foto: Caio Henrique

dev    -
14 de outubro de 2021

O vereador de Osasco Joel Nunes (Republicanos) protocolou moção de repúdio nº 416/2021 contra o governador de Pernambuco, Paulo Câmara (PSB), por exigir o chamado ‘passaporte da vacina’ para que fiéis possam participar de celebrações religiosas.

Em decreto n° 51.460, de 27 de setembro de 2021, o governo estadual torna obrigatória a apresentação de comprovantes de esquema vacinal completo e/ou resultados negativos de testes para Covid-19.

“Independentemente da capacidade de lotação do templo, desde o início da pandemia as instituições religiosas passaram a atender as exigências sanitárias para realização dos cultos, por isso exigir dos fiéis comprovantes de vacinação completo ou testes negativos para o vírus, não pode ser entendido de outra forma senão perseguição religiosa para tentar impedir a realização dos cultos”, justificou na moção.

Joel Nunes, que também é pastor da Igreja Universal, citou que as vacinas contra a Covid-19 ainda não têm eficácia comprovada. “É de conhecimento público que as vacinas são experimentais, assim como não há vacina suficiente para toda população e o poder público não garante testes gratuitos para todos, tampouco transporte público suficiente para o cumprimento das regras sanitárias de distanciamento. Assim, tal exigência não passa de perseguição às instituições religiosas, que exercem atividade essencial à população”.

Para ele os problemas sociais causados pela pandemia seriam imensuráveis sem o trabalho espiritual e social realizado pelas igrejas durante esse período. Além disso, afirmou que o decreto do governo de Pernambuco é inconstitucional. “É inviolável a liberdade de consciência e de crença, sendo assegurado o livre exercício dos cultos religiosos e garantida, na forma da lei, a proteção aos locais de culto e a suas liturgias”.