Osasco vai ter 1° empresa de games e formar desenvolvedores de jogos

 Osasco vai ter 1° empresa de games e formar desenvolvedores de jogos

Foto: Mari Magdesian

Em entrevista ao Diário da Região, Gerson Pessoa, secretário de Tecnologia, Inovação e Desenvolvimento Econômico, disse que o Polo Tecnológico que irá funcionar provisoriamente no antigo prédio da Enel, na Vila Yara, em Osasco, vai acomodar uma empresa de vídeo game.

No edifício, de quatro andares, deve ser criado um ambiente descontraído para treinamento de jogadores, desenvolvimentos de games e, futuramente, quem sabe montar um time de Osasco para disputas nacionais e internacionais.

O local irá acomodar também a Microsoft, Apple, Oracle, Cisco e Sebrae. Polo será provisório até que o bairro do Bonfim e o prédio de 21 andares, onde seria a nova prefeitura, fique pronto.

Incentivos fiscais por parte do município atraíram a empresa. Isso significa que, em breve, a cidade deve começar a descobrir seus gamers que são os famosos “jogadores de videogame”. 

No Brasil, metade da população joga videogame. As mulheres são maioria.

O salário de um gamer profissional vai de R$ 3 mil a R$ 20 mil por mês. Já um programador de jogos digitais ganha, em média, R$ 8,2 mil. 

No início da carreira, a remuneração é de R$ 2,2 mil, podendo alcançar facilmente os R$ 16 mil à medida que se adquire qualificação profissional. 

Para atuar na área, é possível fazer o curso de Design de Games em duas modalidades: graduação (curso de 4 anos) e tecnológico (dois anos).

O mercado ficou tão competitivo que as próprias plataformas, para garantir que talentos disputados transmitam em seu site, também podem oferecer salário ou condições especiais. 

O maior gamer do mundo, o norte-americano Tyler “Ninja” Blevins já chegou a ganhar US$ 500 mil por mês apenas com a modalidade.

CAMPEONATOS

Um gamer profissional, além de bem remunerado, mensalmente e com séries de benefícios oferecidos pelas empresas, também consegue levantar muito recurso por meio dos campeonatos.

As cinco maiores competições do mundo são: Evolution Championship Series (EVO); o Major League Gaming (MLG), que supera audiência da NBA nos EUA; o World Cyber Games que era patrocinado pela Microsoft e Samsung, foi considerado o maior do mundo e extinto em 2013.

A lista ainda tem o Electronic Sports World Convention (ESWC) com o cobiçado prêmio de 550 mil reais e o The International que é o torneio dos prêmios milionários e chega a distribuir mais de R$ 30 milhões em prêmios somente à equipe vencedora, ou seja, é o campeonato mais assediado do mundo.

Graciela Zabotto