“Prédio da Fac/Fito pode ser tornar um grande coworking”

 “Prédio da Fac/Fito pode ser tornar um grande coworking”

Foto: Robson Cotait

O prefeito Rogério Lins falou essa semana sobre a expectativa de finalizar o prédio onde funcionará o Campus da Unifesp Osasco, em Quitaúna, e ter novamente à disposição da administração municipal o prédio da Fac/Fito, no Jardim das Flores, onde hoje recebe provisoriamente os cursos da Universidade Federal.

“Estamos avaliando um convênio para Unifesp para que possamos concluir esse equipamento e fazer com que a gente volte a ter o pertencimento do prédio da Fac/Fito”, disse na tribuna da Câmara Municipal durante visita à sessão ordinária.

O prefeito já tem planos para o prédio após a transferência das aulas da universidade para o Campus definitivo.

“Estamos discutindo se vamos fazer no prédio da Fac/Fito uma Escola do Futuro ou um grande coworking para formar mão de obra qualificada. Tem muitas opções boas de ocupação daquele espaço”, comentou.

No último dia 3, o prefeito se reuniu com o reitor da Unifesp, Nelson Sass, e a diretora acadêmica Luciana Onusic, para visitar as obras de construção do novo campus da instituição. A informação foi divulgada pela prefeitura nessa quarta-feira, 9.

Conforme a nota divulgada, durante o encontro foram discutidas parcerias entre a administração pública municipal e a instituição para a conclusão da obra.

Também participaram do encontro o vice-diretor acadêmico, Júlio Zorzenon, a pró-reitora de Administração, Tania Mara, o pró-reitor Adjunto de Planejamento, Daniel Carvalho, o assessor de Relações Institucionais da Reitoria, Dan Levy, a arquiteta do campus Osasco, Haluane Santana, membros da Scopus Construtora e Incorporadora, entre outros.

Estrutura da Unifesp Osasco

O novo campus terá capacidade para receber cerca de 3 mil estudantes. A unidade oferecerá cursos de graduação e pós-graduação nas áreas de Administração, Ciências Atuariais, Ciências Contábeis, Ciências Econômicas, Direito e Relações Internacionais, entre outros.

De acordo com a entidade, o projeto conta com 34 salas de aula, 19 laboratórios de pesquisa, seis anfiteatros, biblioteca, auditório com 280 lugares, duas salas de aula/informática, secretarias acadêmicas de graduação, pós-graduação e extensão, 55 salas de professores, restaurante universitário, praça digital, estacionamento e área de convivência.

Pensando na sustentabilidade, o campus terá uso de cobertura verde, captação e reuso da água da chuva, placas de aquecimento solar e geração de energia com placas fotovoltaicas.

Graciela Zabotto