• 27/07/2021

Prefeitos da região vão decidir na 2ª sobre feriados e lockdown

 Prefeitos da região vão decidir na 2ª sobre feriados e lockdown

Os prefeitos das 11 cidades da região que compõem o Cioeste (Consórcio Intermunicipal da Região Metropolitana de São Paulo) irão se reunir, na segunda-feira (22), para debater se irão ou não adotar a antecipação de feriados. Essa semana o prefeito de São Paulo, Bruno Covas, determinou a antecipação de cinco feriados, dois deste ano e três de 2022. A medida entra em vigor a partir do dia 26 de março e irá emendar com o feriado de Sexta-feira Santa.

Os prefeitos também devem debater adoção ou não de lockdown. Na quinta-feira (18), prefeitos do consórcio do Grande ABC e de 12 municípios do consórcio do Alto Tietê pediram ao governador João Doria lockdown na região metropolitana por sete dias para conter Covid-19.

Nesta sexta-feira (19), ao Diário, a assessoria de imprensa do Cioeste afirmou que o consórcio não discute a possibilidade de lockdown. O consórcio reúne as cidades de Araçariguama, Osasco, Barueri, Carapicuíba, Itapevi, Jandira, Pirapora do Bom Jesus, Santana de Parnaíba, Cajamar, Cotia e Vargem Grande Paulista.

Em nota ao G1, o consórcio do ABC afirmou que a proposta é de “bloqueio total em todos os 39 municípios da Grande São Paulo, inclusive com a interrupção total do serviço de transporte público estadual”. Neste caso, a medida acabaria atingindo também os municípios do Cioeste.

Pelo pedido dos 19 prefeitos, até supermercados ficariam fechados, com vendas apenas por delivery ou drive-thru. Seria permitido o atendimento pessoal somente em farmácias, estabelecimentos de saúde e de segurança pública.

“A gente se reuniu hoje [quinta], por volta das 12h, e decidimos solicitar a implementação de lockdown, porque as medidas que individualmente são tomadas não vão surtir efeito sozinhas. Há um grande fluxo de pessoas nessas cidades que dependem economicamente da rotina da capital paulista e só uma intervenção unificada na região metropolitana e nos transportes metropolitanos poderia fazer o efeito que precisamos”, disse o prefeito de Santo André, Paulinho Serra.