Ribamar fala que Enel “tem que ter aula com a Sabesp”

 Ribamar fala que Enel “tem que ter aula com a Sabesp”

Foto: Ricardo Migliorini / CMO

Os vereadores de Osasco criticaram o atendimento da Enel no município durante sessão ordinária que aconteceu nesta terça-feira, 10, após Carmônio Bastos (Podemos) propor uma Moção de Repúdio à concessionária pelas inúmeras falhas que tem ocorrido na prestação de serviços à população.

Como exemplo ele usou as longas filas que se formam logo pela manhã em frente ao posto da empresa em Osasco.

“A Enel está prestando um desserviço ao estado de São Paulo e ao município de Osasco. A empresa tem recursos para fazer um bom serviço e não faz. Quando você passa em frente ao posto da Enel tem uma fila de osasquenses, a maioria insatisfeita”, comentou o parlamentar ao sugerir que a empresa de energia siga o exemplo da Sabesp.

“Por mais que tenhamos problemas com a Sabesp, o acolhimento da diretoria com o atendimento é muito bom”, comparou.

Presidente da Casa, Ribamar Silva (PSD) ainda completou afirmando que “o pessoal da Enel tem que ter uma aula com o pessoal da Sabesp. Acho que seria bom eles passarem na escolinha da Sabesp”, comentou.

Carmônio apontou que quando são enviados e-mails à Enel a empresa responde dizendo que tem 30 dias para responder à solicitação. “Muitas vezes quando o munícipe precisa de uma resposta imediata e a solução demora em chegar”.

Ribamar ainda lembrou que as tarifas cobradas pela Enel são altas, mas que as contrapartidas para o munícipe e para o município são poucas. “É impressionante o que cobram da população e ainda fazem um trabalho ruim”, apontou Ribamar, ao comentar que em Osasco ainda há postes de madeira sendo usados pela empresa.

De acordo com o vereador Josias da Juco (PSD), nesta segunda-feira (09), diretores da concessionária estiveram na Secretaria de Meio Ambiente em uma reunião com o secretário da pasta, Fábio Grossi, que foi constrangedora e tensa.

“Tive a oportunidade de participar de uma reunião com diretores da Enel no Meio Ambiente e posso afirmar que foi uma conversa constrangedora. Falamos sobre a falta de uma programação adequada para poda de árvores e outros serviços”, declarou o parlamentar, após frisar que, muitas vezes, a empresa demora mais de 12 horas para atender uma solicitação de serviço.

“Se os vereadores são tratados assim, imagine como os munícipes são tratados. Gostaria de saber como ficam os prejuízos dos comerciantes, que têm perdido produtos devido à falta de energia ou equipamentos”, questionou a vereadora Cristiane Celegato (Republicanos).

Os parlamentares comentaram que em breve haverá uma Audiência Pública para debater os serviços da Enel no município. Segundo o vereador Josias da Juco, a relação com a empresa será diferente. “Queremos respeito”.

Da Redação