• 02/12/2021

Sósia de Neymar ‘trolla’ público e causa tumulto em shopping de São Paulo

 Sósia de Neymar ‘trolla’ público e causa tumulto em shopping de São Paulo

Divulgação

Imagine a cena: Neymar Júnior, atacante da Seleção Brasileira de Futebol e do Paris Saint Germain, clube de elite da Europa, andando despretensiosamente em um shopping de São Paulo.

Ele está acompanhado por quatro grandes homens vestidos de terno e com máscaras personalizadas, mas parece ser um esquema de segurança um tanto quanto frágil, algo impensável quando se trata de uma figura pública tão conhecida.

No início do mês, para algumas pessoas que estavam passeando no Shopping Anália Franco, que fica na Zona Leste da capital, esse fato realmente aconteceu. Mas não, não era Neymar.

O responsável por causar todo o alvoroço foi Eigon Oliveira, de 29 anos, conhecido nas redes sociais como o Sósia do Ney. E a semelhança é, de fato, muito grande. O look, inclusive, é idêntico ao que o verdadeiro Ney já utilizou em outra situação.

Um vídeo em que o “irmão gêmeo” do atleta aparece circulando pelo local viralizou no Instagram e no Tik Tok nesta sexta-feira (15).

Na gravação, Eigon aparece desembarcando de um veículo SUV enquanto é acompanhado pelo quarteto de guarda-costas – que são, na verdade, Antunes, Dennis, Marcos e Gui, amigos pessoais do sósia.

Atendentes, funcionários do local e dezenas de clientes ficam extasiados. Muitas pessoas acompanham o suposto ídolo e registram a ação. É possível ouvir gritos de “por favor, só uma foto!” e “É o Neymar!”.

Em determinado momento, um grupo de jovens aparece fazendo movimento de reverência ao craque fictício.

“Era uma ideia que eu já tinha há muito anos, porque eu sou sósia dele há 9 anos. Inclusive, eu já tinha feito, mas sem filmar. Eu ia no shopping e acontecia a mesma coisa”, contou Eigon, que hoje soma milhões de seguidores nas redes.

“Arrumei o terno para os caras e falei ‘Vamos fazer essa loucura aí?’. Minha ideia era fazer uma coisa tão absurda, mas, por ser parecido, a galera acreditar”, contou. O conceito da ação surgiu, segundo ele, em 2014, em um evento da FIFA (Federação Internacional de Futebol) para a Copa do Mundo de Futebol.

“Eu estava com o Pelé [também sósia] no Vale do Anhangabaú. No telão, a Seleção estava jogando, Neymar em campo, e a galera achando que era eu. Tiraram foto, rasgaram minha camisa, a polícia teve que fazer escolta pra gente sair dali”, brincou.
Agora, Eigon planeja um segundo ato, uma continuidade para a brincadeira. “Eu não vou dar muito spoiler, né, fica muito sem graça. Mas eu garanto que vai ser um negócio mais profissional. Eu vou esperar um momento em que ele estiver no Brasil, vou querer fazer em algum lugar, talvez em uma balada, contratar mais seguranças, fotógrafos e fãs fakes”. (g1.globo.com)