UBS de Osasco perde 90 doses da vacina contra o coronavírus

 UBS de Osasco perde 90 doses da vacina contra o coronavírus

Foto Ricardo Migliorini / CMO

Uma Unidade Básica de Saúde de Osasco (UBS) perdeu mais de 80 doses da vacina contra Covid-19. Revelação foi feita pelo vereador Délbio Teruel (DEM) na tribuna da Câmara de Osasco durante sessão ordinária desta terça-feira (16).

Segundo ele, marginais roubaram fio de cobre e deixou a unidade sem fornecimento de energia elétrica. “Se roubam é porque alguém compra. Estamos propondo multas altíssimas, além de lacrar o comércio. Quem vende fio de cobre e aço tem que ter nota fiscal”, declarou ao citar o seu projeto de lei nº 97/2021 que proíbe a comercialização de fios e cabos de cobre, alumínio e materiais assemelhados sem a comprovação de origem.

Embora na tribuna o vereador tenha citado que foram “mais de 80 doses”, no projeto que tramita na Câmara Délbio citou que foram perdidas 90 doses do imunizante. “O roubo desse produto em Osasco chegou, literalmente, ao limite. No mês de julho a USB Palmares/Bandeiras perdeu 90 doses da vacina Coronavac devido ao roubo da fiação. Essa ocorrência vem sendo constante em outros próprios públicos, praças, residências e comércios da cidade”, registrou.

O parlamentar também ressaltou que unidades escolares também são vítimas desse tipo de furto. “Quantas creches são roubadas e ficam sem energia e sem condição de oferecer alimentos para as crianças porque roubaram o fio de cobre que leva o fornecimento de energia. É importante que possamos criar dificuldades para que esses maus elementos possam ser responsabilizados da forma mais dura possível”, comentou na tribuna.

A matéria está tramitando pelas Comissões Permanentes da Casa. De acordo com o documento, a matéria determina que a proibição será válida para pessoa física ou jurídica que adquira, compacte, venda, mantenha em estoque, use como matéria-prima, transporte ou recicle, ainda que gratuitamente, esse tipo de material.

Quem for flagrado com os fios e cabos sem comprovação de origem ficará sujeito à multa e, em caso de reincidência, cassação do alvará. Já o material será apreendido e a prefeitura terá de comunicar à polícia sobre a irregularidade, para tomada de providências. No PL Délbio não informa de quanto será o valor da multa.

“Embora os casos de roubos e furtos sejam de alçada policial, a obrigação de comprovação de origem do material, para comercialização, vai ajudar a reduzir essas ocorrências que tanto prejudicam nossa população e até os serviços públicos, já que marginais roubam fios de rede elétrica, telefonia e outros, levando à suspensão de fornecimento”, conclui o democrata.

Graciela Zabotto