Vereador ignora mães solteiras e filhos adotivos em fala sobre família

 Vereador ignora mães solteiras e filhos adotivos em fala sobre família

Reprodução/Câmara Municipal de Osasco

Uma Moção de Apoio à Semana da Família Osasquense, apresentada pelo vereador Rogério Santos, voltou a ressuscitar o tema “o que é família” na Câmara Municipal e, novamente, prevaleceu o discurso do formato heteronormativo de núcleo familiar: pai, mãe e filhos.

Uma das falas que mais chamou atenção foi a do vereador Adauto Toto. Ele usou trechos da Bíblia para mostrar que família é a que gera filhos e se multiplica. “Quanto a vós sedes fecundos e povoai a face da Terra. Deus abençoou-lhes e ordenou: sedes férteis e multiplicai-vos”, explicou sem ser claro sobre uma possível referência à família com dois pais ou duas mães.

Em uma outra parte de sua fala, Adauto diz que “o resgate da família é o convívio de amor entre pai que gerou, mãe que gerou e criou e o filho que convive com a mãe e o pai. Isto é família”. Neste trecho, o parlamentar também não citou famílias cujos filhos são adotivos e aquelas cujas mães são solteiras ou solo”.

A fala do parlamentar, em palavras mais sutis, fez lembrar a frase polêmica de Levi Fidélix, em debate na TV Record, na campanha para presidente em 2014, quando afirmou que “dois iguais não fazem filho e aparelho excretor não reproduz”. Na época, Fidélix expunha, de forma clara, sua opinião sobre o casamento civil entre pessoas do mesmo sexo.

Adauto Toto finalizou dizendo que não precisa discutir mais sobre o que é a família, o que perturba a família, para onde vai a família. “Isso é família, não sei porque as pessoas resolvem tanto atacar a família e combater a família, tentar desfazer a família”.

Durante a sessão, a vereadora da Juliana da AtiVoz foi a única que se pautou na legislação para defender todos os tipos de família conforme determinação de maio de 2011, do STF (Supremo Tribunal Superior), cuja maioria dos ministros concedeu o direito de constituição de família a todos, independente da orientação sexual ou gênero.

Juliana ressaltou ainda que “mãe solteira com filho é família”, assim como “pai solteiro com filho também é família” e que casais do mesmo sexo que adotam filhos “também são famílias”.

Da Redação