Vítimas do Tribunal do Crime não são mais enterradas e sim “desovadas”

Em entrevista ao Diário da Região, o delegado Marcelo José do Prado, titular do 1° DP de Carapicuíba, disse que os três corpos encontrados em Osasco e Carapicuíba apontam para uma nova forma de agir do Tribunal do Crime.

Até então, as vítimas eram enterradas em cemitérios clandestinos, como um deles encontrado, neste ano, em Carapicuíba.

Mas, há poucos dias, três assassinatos com desova dos corpos em um carro e outro em um córrego, podem dar indícios de uma mudança no “modus operandi” do Tribunal do Crime.

Na semana passada, os corpos de dois rapazes, de 20 e 23 anos, foram encontradas no bairro Altos do Santa Lúcia, em Carapicuíba.

Eles foram torturados, estrangulados, amarrados e abandonados, em um local ermo do bairro, dentro de um Fiat Punto preto.

Já, em Osasco, na mesma madrugada, um corpo foi encontrado dentro de um córrego também com sinais de tortura e estrangulamento.

Quatro pessoas suspeitas por este assassinato foram presas em Osasco e podem estar envolvidas também com as mortes em Carapicuíba.

Os dados estão sendo cruzados entre as Delegacias Seccionais das duas cidades.

Maranhão Gomes