3 de março de 2024 23:19

Você viu isso? Motoristas saem na porrada na marginal da Raposo
Pré-candidata da extrema-direita diz que constrói base conservadora forte em Osasco
Você viu isso? Homem com facão agride duas pessoas no Calçadão de Osasco
PT realiza plenária para definir plano de governo de Emidio de Souza
Homem perde controle, estoura vidro de cartório e fere funcionária de forma grave
Reforma da rodoviária de Osasco deve começar em 70 dias

3 de março de 2024 23:19

Você viu isso? Motoristas saem na porrada na marginal da Raposo
Pré-candidata da extrema-direita diz que constrói base conservadora forte em Osasco
Você viu isso? Homem com facão agride duas pessoas no Calçadão de Osasco
PT realiza plenária para definir plano de governo de Emidio de Souza
Homem perde controle, estoura vidro de cartório e fere funcionária de forma grave
Reforma da rodoviária de Osasco deve começar em 70 dias
Condomínios deverão divulgar telefones de socorro para mulheres vítimas de violência

Foto: Câmara de Barueri

Mari Magdesian    -
23 de setembro de 2021

Prédios comerciais, condomínios e edifícios residenciais coletivos deverão divulgar ostensivamente informações sobre a Lei Maria da Penha (Lei Federal 11.340/2006). A medida foi aprovada pela Câmara Municipal de Barueri e prevê a fixação de cartazes nos locais.

Os informativos, segundo o projeto de lei 095/2021, devem conter o número da lei, o telefone da Delegacia de Defesa da Mulher (4198-0522) e o telefone da base da Guardiã Maria da Penha, um serviço da Guarda Civil Municipal de Barueri que oferece proteção 24 horas por dia a mulheres vítimas de violência (4194-7562).

Quem não cumprir a lei estará sujeito a advertência e, em caso de reincidência, multa de 10 UFIB (Unidade Fiscal de Barueri). Os valores arrecadados serão destinados a campanhas de prevenção à violência contra a mulher.

Para a vereadora doutora Claudia (PDT), autora do projeto de lei, a democratização da informação é uma ferramenta importante para oferecer uma rede de apoio às vítimas de violência. “Fornecer às mulheres acesso constante sobre a legislação que as protege e dar acesso aos contatos de emergência contribui para ajudar quem precisa de atendimento e pode consequentemente reduzir o número de ocorrências”, disse a parlamenta