21 de junho de 2024 18:37

LDO prevê orçamento de R$ 1,7 bilhões em Cotia
Em um mês região ganhará 1° "shopping aberto" semelhante aos da Europa e EUA
Valdir Roque diz que “candidatura de João Paulo depende dele”
MP consegue ampliar em 50% pena de quadrilha do Pix
150 policiais e 80 viaturas já estão na divisa de Osasco com Carapicuíba
Última semana do Arraiá de Barueri tem axé, pagode, forró e sertanejo

21 de junho de 2024 18:37

LDO prevê orçamento de R$ 1,7 bilhões em Cotia
Em um mês região ganhará 1° "shopping aberto" semelhante aos da Europa e EUA
Valdir Roque diz que “candidatura de João Paulo depende dele”
MP consegue ampliar em 50% pena de quadrilha do Pix
150 policiais e 80 viaturas já estão na divisa de Osasco com Carapicuíba
Última semana do Arraiá de Barueri tem axé, pagode, forró e sertanejo
Governador Doria proíbe fechamento de leitos para Covid no estado mesmo vazios

(Divulgação)

Da redação     -
19 de novembro de 2020

Nesta quinta-feira, 19, durante entrevista coletiva à imprensa, o governador João Doria determinou que todos os municípios do estado mantenham a estrutura criada para evitar colapso na saúde por causa da pandemia do novo coronavírus. Muitas cidades estavam desativando seus Hospitais de Campanha e fechando leitos destinado à Covid-19 devido à baixa demanda de pacientes nos meses de setembro e outubro. Com as eleições municipais e o relaxamento da população com uso de máscara e álcool gel, o número de internações voltou a subir.  E, consequentemente, de mortes também. A Europa já enfrenta a segunda onda da Covid-19 e alguns países decretaram lockdown (fechamento total das atividades com liberação apenas para serviços essenciais).

Na região, as cidades de Cotia, Osasco, Carapicuíba e Itapevi fecharam ou Hospitais de Campanha, ou Centros de Combate ao Coronavírus instalados nas unidades de Saúde já existentes. Ontem, Dória foi enfático: “mesmo que os leitos estejam vazios, devem permanecer abertos”. O decreto com a determinação já foi publicado na Imprensa Oficial do Estado. O governador também ordenou que as cirurgias eletivas (não emergenciais) sejam remarcadas. Em Osasco, desde setembro, a prefeitura tinha retomado cirurgias eletivas no Hospital Municipal Antônio Giglio. Elas tinham sido suspensas durante a primeira onda da Covid, entre abril e agosto, para que a UTI e enfermaria do hospital fossem utilizadas pela ‘linha de frente’ no combate ao coronavírus.