17 de junho de 2024 11:57

Carapicuíba será 1° da região a ter escola do estado sob gestão da iniciativa privada
"Nosso objetivo é um só, é colocar vagabundo atrás das grades", diz Derrite
Câmara aprova R$ 77 milhões para reurbanização do Rochdale
Maior operação policial da América Latina prende 24 pessoas em Osasco
Polícia Militar apreende 8 kg de drogas no Jaguaribe
Teco Godoy se filia ao Podemos em Itapevi

17 de junho de 2024 11:57

Carapicuíba será 1° da região a ter escola do estado sob gestão da iniciativa privada
"Nosso objetivo é um só, é colocar vagabundo atrás das grades", diz Derrite
Câmara aprova R$ 77 milhões para reurbanização do Rochdale
Maior operação policial da América Latina prende 24 pessoas em Osasco
Polícia Militar apreende 8 kg de drogas no Jaguaribe
Teco Godoy se filia ao Podemos em Itapevi
Furlan 'ressuscita' 63 processos por lavagem de dinheiro público movidos contra Gil Arantes

Divulgação

Da redação     -
10 de junho de 2024

O prefeito de Barueri, Rubens Furlan, gravou novo vídeo classificando Gil Arantes como o pior prefeito que a cidade já teve.

Dentre os fatos mostrados por Furlan estão os 63 processos que tramitaram na Justiça contra Gil Arantes, dentre eles os de suspeita de lavagem de dinheiro público.

Furlan cita que Gil foi seu secretário e que o indicou e o apoiou em suas duas primeiras gestões para prefeito (1997 a 2004), mas depois Gil se tornou “nocivo a Barueri”, se referindo ao 3° mandato de Gil entre 2013 e 2016.

Neste 3° mandato, Gil Arantes chegou a ser afastado do cargo, entre 24 de fevereiro e 11 de março de 2015, em ação movida pelo Ministério Público na qual respondeu por lavagem de dinheiro e crime de responsabilidade. Ele foi acusado de desviar R$ 26 milhões da prefeitura por meio de um esquema de indenizações pagas pela desapropriação de terrenos do município entre 1997 e 2004.

Outro ponto usado pela equipe de Furlan, nas redes sociais, relembra as 18 pessoas que ficaram cegas após operação de catarata no Hospital Municipal o que muitos atribuem à negligência do governo. No 3° mandato de Gil, o Hospital Municipal chegou a sofrer interdição após denúncias contra a OS (Organização Social) Hygia por atraso no pagamento dos funcionários, não pagamento de rescisões trabalhistas e demissão de médicos experientes.