22 de junho de 2024 18:56

Incursão em favela resulta na apreensão de quase duas mil porções de drogas
"Operações nas divisas vão continuar", diz coronel Virgolino
Vôlei Osasco apresenta elenco da temporada 2024/2025
Em 4h, polícia e GCM vistoriam 196 pessoas, 71 motos e 25 carros na divisa de Osasco e Carapicuíba
Cotia prevê orçamento de R$ 1,7 bilhão para 2025
Em um mês região ganhará 1° "shopping aberto" semelhante aos da Europa e EUA

22 de junho de 2024 18:56

Incursão em favela resulta na apreensão de quase duas mil porções de drogas
"Operações nas divisas vão continuar", diz coronel Virgolino
Vôlei Osasco apresenta elenco da temporada 2024/2025
Em 4h, polícia e GCM vistoriam 196 pessoas, 71 motos e 25 carros na divisa de Osasco e Carapicuíba
Cotia prevê orçamento de R$ 1,7 bilhão para 2025
Em um mês região ganhará 1° "shopping aberto" semelhante aos da Europa e EUA
Lins se reelege em Osasco com 60% dos votos

(Foto Marcelo deck)

Da redação     -
16 de novembro de 2020

Com 60,94% dos votos válidos, Rogério Lins (Podemos) foi reeleito, ontem, prefeito de Osasco. Com um primeiro mandato marcado por obras e investimentos em infraestrutura, prefeito abocanhou a fatia dos eleitores que desenvolveram aversão ao PT de Emidio de Souza e não confiaram o suficiente para colocar na prefeitura o vereador doutor Lindoso, do Republicanos, partido ligado à Igreja Universal. O que demonstra que, até mesmo, a maioria dos evangélicos optou por Lins.

Doutor Lindoso ficou em segundo lugar na preferência do eleitorado, com 66.543 votos (19,86%); o ex-prefeito Emio de Souza ocupou o terceiro lugar, com 44.849 votos (13,38%); Simony dos Anjos (PSol) vem em seguida, com 15.202 votos (4,54%). Na sequência estão Marcos Souza Dateninha (Solidariedade) que concorreu Sub Judice e alcançou 2.244 votos (0,67%), o mesmo aconteceu com Reinaldo Monteiro (PRTB), que foi o menos votado na cidade, com 2.029 votos (0,61%).

Em sua primeira candidatura para prefeito, em 2016, Lins era desconhecido para 50% dos eleitores no começo do primeiro turno. Arrastou a disputa para o 2ª turno, contra Jorge Lapas (PDT), na época prefeito, e o derrotou com uma das votações mais expressivas da história com 218 mil votos e 61% do eleitorado.  Nem a força da máquina pode conter Lins que teve um crescimento vertiginoso em poucos meses de campanha.

Em 2016, ao lado de Francisco Rossi, coordenador geral de sua campanha, o então vereador Rogério Lins trouxe para o seu lado outro peso pesado, Gelso Lima, ex-PT e agora filiado ao Patriotas. Novamente, em 2020, Francisco Rossi e Gelso estavam com Lins e, novamente, chegaram à vitória. Um trouxe a experiência dos bastidores, no caso Gelso que, na eleição de 2016, trabalhou intensamente nas ruas e nas redes sociais para convencer o eleitor de que Lins seria um nome melhor que o tradicional Celso Giglio, cheio de complicações na Justiça. Já Francisco Rossi agregou à campanha de Lins o peso do nome que já governou Osasco por duas gestões e tem a filha, Ana Paula Rossi, eleita pela terceira vez para a Câmara de Vereadores.

A reeleição de Lins desbanca uma outra marca, a de Emidio de Souza como o único prefeito reeleito em Osasco. Agora, Lins entra para essa seleta lista. Ontem, logo após o término das eleições, em entrevistas à rádio Nova Difusora, o prefeito disse que procurou fazer uma campanha limpa, propositiva. “Em nenhum dia de campanha, falei o nome de qualquer adversário. Só procurei falar do que a gente fez e, com muita humildade, reconheci que ainda temos muita coisa para fazer, que não resolvemos todos os problemas. Eu pedi ao povo uma nova oportunidade para continuar trabalhando por Osasco, cidade que tanto amo”.