26 de maio de 2024 06:05

Aposta de Osasco leva prêmio de 1,2 milhão na Lotofácil
Capotamento "trava" Raposo Tavares no sentido Capital
Tarcísio autoriza 16 radares na Raposo entre Cotia e SP; veja locais
Ana Paula Rossi deixa Câmara de Osasco por um mês
Cajamar faz Expo Emprego com maior oferta de vagas da história da Região Metropolitana
Emidio diz que “escola não é quartel” sobre escola cívico-militar

26 de maio de 2024 06:05

Aposta de Osasco leva prêmio de 1,2 milhão na Lotofácil
Capotamento "trava" Raposo Tavares no sentido Capital
Tarcísio autoriza 16 radares na Raposo entre Cotia e SP; veja locais
Ana Paula Rossi deixa Câmara de Osasco por um mês
Cajamar faz Expo Emprego com maior oferta de vagas da história da Região Metropolitana
Emidio diz que “escola não é quartel” sobre escola cívico-militar
Luta clandestina volta a ser realizada em Carapicuíba

Divulgação

Da redação     -
22 de abril de 2024

Lutas clandestinas voltam a acontecer em Carapicuíba. Dessa vez, o ringue improvisado foi um campo de futebol no Jardim Brígida, onde dois jovens se enfrentaram em um combate sem regras e sem a presença de qualquer tipo de segurança, como ambulância.

A prática, embora proibida, vem se disseminando nas periferias, muitas vezes com a anuência, ou até mesmo incentivo de moradores. A falta de infraestrutura e de oportunidades para a juventude, aliada à carência de lazer e cultura, contribui para o surgimento desse tipo de evento.

No caso do Jardim Brígida, imagens que circulam nas redes sociais mostram os dois jovens com bandagem, luvas e protetor bucal, o que para alguns internautas configura uma luta “organizada” e segura.

No entanto, especialistas alertam para os riscos inerentes a qualquer tipo de combate sem acompanhamento médico e sem as devidas medidas de segurança.

“A ausência de regras e de uma ambulância para caso de urgências coloca em risco a vida dos participantes”, afirma o doutor Carlos Silva, médico especialista em medicina esportiva. “Mesmo com equipamentos de proteção, acidentes graves podem acontecer, e a falta de atendimento médico imediato pode ter consequências fatais”.

Nas redes sociais, a repercussão do caso dividiu opiniões. Alguns internautas defendem a liberdade dos jovens de se divertirem da forma que quiserem, enquanto outros criticam a falta de responsabilidade e o risco à vida dos participantes.

“É só um moleque brincando com outro”, comenta um usuário. “Se eles querem lutar, deixa eles lutarem”, defende outro. Já outros criticam a postura irresponsável dos envolvidos. “Isso não é brincadeira, é coisa séria”, afirma um internauta. “Se acontecer algo grave, quem vai pagar o pato? As famílias desses meninos?”, questiona outro.

O debate acende a necessidade de políticas públicas que ofereçam alternativas de lazer e cultura para a juventude das periferias, além de investir em infraestrutura e segurança para eventos esportivos organizados.